Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de setembro de 2017. Atualizado às 16h44.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

energia

22/09/2017 - 16h44min. Alterada em 22/09 às 16h45min

Aneel: sob a perspectiva do setor elétrico, o horário de verão não se justifica

Segundo Rufino, avaliação foi feita pelos diversos órgãos governamentais ligados ao setor

Segundo Rufino, avaliação foi feita pelos diversos órgãos governamentais ligados ao setor


JOS/ABR/JC
Do ponto de vista do setor elétrico, não se justifica mais a adoção do horário de verão, afirmou nesta sexta-feira, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. Segundo Rufino, a avaliação foi feita pelos diversos órgãos governamentais ligados ao setor elétrico, no âmbito do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). Uma decisão, agora, caberá ao governo, que levará em conta os efeitos sobre outros setores, como indústria e comércio.
"A avaliação é que, sob a perspectiva do setor elétrico, o horário de verão não se justifica", disse Rufino, pouco antes de participar da Sessão Especial do Fórum Nacional, organizado pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), no Rio.
Se vigorar neste ano, o horário de verão começa em 15 de outubro e termina em 17 de fevereiro. Segundo Rufino, a Aneel não se manifestará nem tomará nenhuma decisão sobre o horário de verão, que é estabelecido por decreto federal.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia