Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de setembro de 2017. Atualizado às 11h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

21/09/2017 - 17h41min. Alterada em 21/09 às 17h52min

Governo argentino libera importação de carne bovina fresca do Brasil

Restrições ao produto brasileiro começaram em 2012

Restrições ao produto brasileiro começaram em 2012


ANDR/ARQUIVO/JC
Agência O Globo
O governo argentino liberou esta semana as importações de carne bovina fresca proveniente do Brasil, depois de vários anos de restrições aplicadas após a descoberta de um caso da doença da vaca louca. A decisão da Casa Rosada foi informada pelo Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar (Senasa), que voltará a emitir certificados para a entrada de carne fresca brasileira.
A Argentina acaba de autorizar, também, a entrada de carne porcina dos Estados Unidos, medida que busca conseguir, em contrapartida, sinal verde das autoridades americanas para que possam entrar no mercado americano a carne e os limões argentinos.
As restrições à carne fresca brasileira começaram em 2012. Outros produtos continuaram entrando, de acordo com dados do próprio Senasa. Em 2016, o Brasil exportou 1.999 toneladas de produtos derivados da carne, mas desde 2012 não entra carne fresca. "O Brasil já tinha o mercado aberto, o que se fez foi eliminar exigências que eram feitas para a entrada de seus produtos", explicou ao jornal La Nación o presidente da Câmara da Indústria e Comércio da Carnes (Ciccra), Miguel Schiariti.
A balança bilateral do setor é amplamente favorável aos argentinos. No ano passado, o país exportou 5.457 toneladas de carne para o Brasil, o que representou um aumento de 17% em relação ao ano anterior. Um dos tipos de carne argentina mais vendida para o mercado brasileiro é a picanha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia