Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de setembro de 2017. Atualizado às 11h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fraude

Notícia da edição impressa de 21/09/2017. Alterada em 21/09 às 09h32min

PF deflagra Operação Inimigo Oculto contra desvios na Caixa

A Polícia Federal (PF) desencadeou ontem a Operação Inimigo Oculto, com o objetivo de desarticular um grupo de criminosos que causou quase R$ 1 milhão de prejuízos aos cofres da Caixa Econômica Federal. Foram cumpridos três mandados de prisão temporária e 30 de condução coercitiva, além de buscas em três endereços residenciais. A Justiça Federal também determinou o bloqueio da quantia aproximada de R$ 950 mil nas contas dos investigados.
As ordens judiciais foram cumpridas principalmente em Brasília e entorno, mas também ocorreram ações no Pará e na Bahia. Foram alvos dos mandados de prisão ex-prestadores de serviço da Caixa que teriam desviado os valores graças à concessão fraudulenta de 46 empréstimos pessoais, em sua maioria destinados a familiares e amigos.
Para viabilizar estes empréstimos, os investigados utilizavam senhas pertencentes a empregados da CEF, e assim realizavam a inserção indevida de dados no sistema, incluindo-se rendas fictícias, sem a apresentação de qualquer documento comprobatório.
Quando os empréstimos eram creditados nas contas indicadas, os investigados efetuavam saques e transferências, evitando que a Caixa, após identificar a fraude, bloqueasse os valores. Os investigados serão indiciados por estelionato qualificado, falsificação de documento público, associação criminosa e lavagem de dinheiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia