Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de setembro de 2017. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

19/09/2017 - 16h28min. Alterada em 19/09 às 16h28min

Petróleo fecha em baixa, com reunião da Opep no radar

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta terça-feira, dando sequência ao movimento visto na sessão de segunda-feira, com os investidores tendo a reunião de monitoramento do acordo de redução da oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no radar.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro fechou em queda de 0,89%, a US$ 49,90 por barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo tipo Brent para o mesmo mês recuou 0,61%, a US$ 55,14.
"Estamos ziguezagueando no alcance. Falhamos em manter as máximas da semana passada e voltamos ao mesmo intervalo de três dias", disse o comerciante da LPS Futures Michael Hiley.
Nesta terça-feira, comentários do ministro de Petróleo do Iraque, Jabar al-Luaibi, de que o país poderia estar aberto para estender os cortes na produção até o fim do próximo ano estiveram no radar dos investidores.
"Em suma, a perspectiva parece ser brilhante", disse Luaibi durante um evento da indústria de petróleo nos Emirados Árabes Unidos. No entanto, analistas e investidores afirmam que a marca de US$ 50 por barril do petróleo WTI continua a ser um forte ponto de resistência em meio a um excesso de oferta persistente, que poderia começar a crescer novamente no próximo ano.
Analistas do Société Générale afirmaram que "nossa visão fundamental se tornou mais fraca. Como resultado, nossa perspectiva de preços do petróleo é amplamente variável".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia