Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de setembro de 2017. Atualizado às 14h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 18/09 às 14h20min

Bolsas da Europa fecham em alta com maior apetite por risco e à espera do Fed

Os mercados acionários europeus fecharam em alta nesta segunda-feira (18), com a busca por ativos mais arriscados em meio a um arrefecimento das tensões geopolíticas. O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,29% (+1,11 ponto), em 381,82 pontos.
O otimismo prevaleceu novamente nas bolsas europeias nesta segunda-feira. Na ausência de um motivo único para guiar os mercados, os investidores foram às compras tendo a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), na próxima quarta-feira, no radar.
Durante a manhã, foi divulgado que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro passou de 1,3% em julho para 1,5% em agosto na comparação anual. O resultado veio em linha com as expectativas e levou o indicador a se aproximar um pouco mais da meta do Banco Central Europeu (BCE), de nível ligeiramente inferior a 2%.
Entre os destaques do dia esteve a Bolsa de Lisboa. Na noite de sexta-feira, a agência de classificação de risco S&P Global Ratings elevou a nota de crédito soberana de Portugal de BB+ para BBB-, fazendo com que o país voltasse a ter grau de investimento. Com isso, o índice PSI-20 fechou em alta de 1,56%, aos 5.283,14 pontos. Entre as instituições financeiras, o Banco Comercial Português se destacou, ao saltar 5,59%.
Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,52%, aos 7.253,28 pontos, apoiado pela queda da libra em relação ao dólar, que devolveu pequena parte dos ganhos do fim da semana passada, após o presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Mark Carney, reiterar que a saída do Reino Unido da União Europeia poderia acarretar em uma inflação maior.
Segundo ele, o Brexit também pode pesar sobre investimentos e produtividade. Entre os bancos, o Barclays ganhou 0,43% e o Royal Bank of Scotland (RBS) subiu 0,48%.
Movimento de alta semelhante foi visto em Paris, com o índice CAC-40 em alta de 0,30%, aos 5.229,32 pontos. Apesar da queda de 1,18% do Crédit Agricole, o BNP Paribas avançou 0,33% e o Société Générale teve expansão de 0,50%. Entre as montadoras, a Peugeot fechou em alta de 0,24% e a Renault ganhou 0,57%.
O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, avançou 0,32%, aos 12.559,39 pontos. Deutsche Bank (+0,33%) e Deutsche Telekom (+0,53%) contribuíram para o fechamento no azul, assim como a Daimler, que subiu 0,38% e a Volkswagen, que ganhou 0,37%. Em Milão, o índice FTSE-Mib fechou em alta de 0,61%, aos 22.364,74 pontos. Já o índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, teve avanço de 0,20%, aos 10.338,40 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia