Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de setembro de 2017. Atualizado às 13h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

Alterada em 18/09 às 13h41min

JBS diz que Conselho de administração agiu de acordo com lei e estatuto social

A JBS veio a público defender-se de notícias veiculadas nesta segunda-feira, na imprensa, dizendo que a atuação do seu conselho de administração está de acordo com a lei e o estatuto social. O colegiado se reuniu no final de semana para eleger o novo presidente, e a escolha foi pelo patriarca José Batista Sobrinho, fundador da JBS, por conta da prisão do filho, Wesley Batista na última quarta-feira.
Ao jornal O Globo, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), Paulo Rabello de Castro, disse que consultará a área jurídica sobre a possibilidade de suspender a decisão do conselho da JBS, empresa da qual o banco é acionista, com 21%. Rabello diz que não sabia do encontro e que a representante do banco no Conselho, Claudia Santos, não o consultou.
"O Bndes não mudou de posição. A conselheira votou por conta própria e pode ter sido pressionada. Ela votou no sufoco, é uma excelente advogada. Não tomei conhecimento da reunião antes. Foi uma reunião na calada da noite e convocada às pressas. Essa reunião pode ser invalidada por não cumprir com algumas regras de governança, como uma pauta prévia. Vou consultar o jurídico do banco para verificar a possibilidade de anular a decisão", afirmou Rabello na entrevista.
Sem citar qual matéria especificamente, a JBS em nota à imprensa esclarece que "os conselheiros agiram no cumprimento de seus deveres fiduciários e, por unanimidade, tomaram a decisão que lhes pareceu ser a melhor para a Companhia, seus acionistas, colaboradores e demais stakeholders".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia