Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de setembro de 2017. Atualizado às 08h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 15/09 às 08h14min

Cobre opera em leve alta, em movimento de recuperação após fortes perdas

Os contratos futuros de cobre operam em leve alta na manhã desta sexta-feira (18), em um movimento de recuperação após fortes perdas registradas nesta semana.
Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses operava em alta de 0,19%, a US$ 6.517 por tonelada por volta das 6h45 (de Brasília). Às 7h25min, o contrato de cobre para entrega em dezembro, negociado na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), subia 0,12%, a US$ 2,9610 por libra-peso.
Nos últimos dias, dados abaixo do esperado da economia chinesa pressionaram os preços do cobre, já que a China é o maior consumidor de metais básicos do mundo e uma desaceleração em sua economia poderia significar uma queda na demanda por metais. "O cobre está em linha de fogo", afirmaram, em nota a clientes, analistas do Standard Bank.
Na madrugada de quinta-feira, a China informou que a produção industrial avançou 6,0% na comparação anual de agosto. Em julho, o indicador havia registrado um aumento de 6,4%. A leitura do mês passado é a segunda desaceleração seguida do dado, que veio abaixo da estimativa de economistas consultados pelo Wall Street Journal, de alta de 6,6%.
Entre outros metais negociados na LME, o zinco ganhava 0,72%, a US% 3.027,00 por tonelada; o alumínio operava estável, a US$ 2.104,00 por tonelada; o estanho subia 0,10%, a US$ 20.600,00 por tonelada; o chumbo avançava 1,14%, a US$ 2.352,00 por tonelada; e o níquel destoava, ao cair 0,80%, a US$ 11.125,00 por tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia