Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 15h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Alterada em 14/09 às 15h08min

Governo pretende elevar extensão de rodovias concedidas apenas para manutenção

O governo federal pretende elevar para 40 mil quilômetros a extensão total de rodovias federais concedidas, usando o novo modelo de concessão rodoviária, voltada apenas para a manutenção básica e recapeamento das vias, afirmou nesta quinta-feira o secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério do Planejamento, Hailton Madureira de Almeida.
Segundo o secretário, hoje, são cerca de 10 mil quilômetros concedidos. O primeiro leilão no novo modelo poderá ser já em 2018. "Para isso, imaginamos a criação de uma câmara de compensação. Não é possível cobrar pedágio em 40 mil quilômetros", disse Madureira, após participar de seminário promovido pela Associação Brasileira de Consultores de Engenharia (ABCE), no Rio.
A ideia da "câmara de compensação" é que o pedágio de trechos de baixa demanda seja coberto por aqueles com demanda maior. Segundo Madureira, o governo ainda contratará estudos para definir.
O secretário informou ainda que o governo vai contratar estudos para fazer a relicitação das concessões de rodovias que estão sendo devolvidas, no âmbito da nova lei criada para resolver empreendimentos com problemas. Madureira citou a devolução do Aeroporto de Viracopos, em Campinas, e a BR-040, no trecho entre Juiz de Fora (MG) e Brasília, como exemplos de concessões devolvidas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia