Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 14h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

14/09/2017 - 15h00min. Alterada em 14/09 às 15h02min

Acordo de renegociação de dívida com a JBS está mantido, diz vice do BB

O vice-presidente do Banco do Brasil, Alberto Monteiro, afirmou que o acordo de renegociação de dívida da JBS, feito recentemente, está mantido a despeito das prisões dos irmãos Batista. O BB foi um dos bancos que concordou em repactuar R$ 17 bilhões em créditos de curto prazo por 24 meses, entretanto, o executivo não deu mais detalhes sobre se a operação estaria em risco ou se novas provisões para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, poderiam ser feitas, para acomodar uma elevação de risco por parte da empresa.
Sobre o cenário atual, com várias empresas acessando o mercado externo para captar recursos, Monteiro reafirmou que o momento está mais adequado para uma volta do banco, mas que o martelo ainda não foi batido. No final do mês passado, a Coluna do Broadcast antecipou que o BB cogitava uma emissão de ao menos US$ 700 milhões. O Banco não acessa o mercado externo para a captação de recursos desde 2014.
"O momento está mais adequado para emissões externas e estamos monitorando o mercado. A volta do BB depende de uma janela, a qual estamos olhando. Ainda não batemos o martelo", afirmou Monteiro, ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), durante a premiação Empresas Mais, promovida pelo Grupo Estado nesta quinta-feira, 14.
O executivo disse ainda que a retomada de desembolsos de créditos novos está em linha com a expectativa do BB para o segundo semestre, que era de melhoria em relação à primeira metade de 2017. "A retomada do crédito está sendo lenta e gradual como prevíamos. Não teremos um pico nos desembolsos, mas já estamos vendo crescimento", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia