Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 09h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

14/09/2017 - 09h27min. Alterada em 14/09 às 09h32min

IBC-Br sobe 0,41% em julho ante junho, com ajuste, aponta Banco Central

Após avançar 0,55% em junho (dado já revisado), a economia brasileira registrou nova alta em julho de 2017. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,41% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, informou nesta quinta-feira (14) a instituição.
O índice de atividade calculado pelo BC passou de 135,06 pontos para 135,62 pontos na série dessazonalizada de junho para julho. Este é o maior patamar para o IBC-Br com ajuste desde dezembro de 2015 (136,7 pontos).
Na comparação entre os meses de julho de 2017 e julho de 2016, houve alta de 1,41% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 137,84 pontos em julho, ante 135,92 pontos de junho deste ano e 134,28 pontos de julho do ano passado.
O indicador de julho de 2017 ante o mesmo mês de 2016 mostrou desempenho melhor que o apontado pela mediana (+0,90%) das previsões de analistas do mercado financeiro. O patamar de 137,84 pontos é o melhor para meses de julho desde 2015 (143,49 pontos).
O IBC-Br acumulou alta de 0,14% em 2017 até julho. O porcentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta recuo de 1,44% nos 12 meses encerrados em julho.
O índice teve alta de 0,22% no acumulado do trimestre encerrado em julho deste ano, ante os três meses anteriores, pela série ajustada do BC. Já na comparação do trimestre encerrado em julho deste ano com o mesmo período do ano passado, o IBC-Br avançou 0,91% pela série observada.
Como de costume, o Banco Central revisou dados do Índice de Atividade Econômica na margem, na série com ajuste. Em junho, o IBC-Br passou de +0,50% para +0,55%. Em maio, o índice foi de -0,37% para -0,28%. No caso de abril, o porcentual permaneceu em +0,19%. O dado de março foi revisado de -0,48% para -0,41% e o de fevereiro foi de +1,42% para +1,44%. Em relação a janeiro, o BC substituiu a taxa de +0,54% pela de +0,52%.
Conhecido como prévia do BC para o PIB, o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A previsão oficial do BC para a atividade doméstica em 2017 é de avanço de 0,5%. No Relatório de Mercado Focus publicado na última segunda-feira, a mediana das estimativas do mercado para o Produto Interno Bruto (PIB) este ano está em 0,60%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia