Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 18h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

Notícia da edição impressa de 06/09/2017. Alterada em 05/09 às 21h16min

Rodrigo Maia afirma que vai levar à frente Reforma da Previdência

O presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, disse que vai levar à frente a reforma da Previdência e que é inevitável que as mudanças sejam feitas. "O custo da reforma hoje é menor do que daqui a dois, três anos. Se não avançarmos agora, teremos que cortar aposentadorias no futuro", afirmou, após assinar a homologação do acordo entre a União e o estado do Rio de Janeiro.
Maia afirmou ainda que, em um segundo momento, vai ter que discutir a questão da Previdência das polícias militares do País inteiro. "Do jeito que está hoje, é impagável. Precisamos falar a verdade para as pessoas", afirmou. Ele também defendeu que a ação apresentada pelo procurador Rodrigo Janot no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a previdência dos parlamentares é positiva e vai abrir uma janela para o debate sobre a aposentadoria de políticos e servidores públicos. "Novos deputados têm que ir para o regime geral de Previdência", acrescentou.
Maia não deu prazo para a votação da reforma, mas disse que continuará trabalhando para conseguir convencer os líderes de que as mudanças "não tiram voto de ninguém". "Aprovação trará ganhos para todos. Meu medo é não conseguir votar a reforma e, ano que vem, indicadores econômicos revertam por perda de confiança na aprovação", afirmou. "Tudo o que deixamos de fazer gera reação dos atores que querem investir no País."
O presidente disse ainda que é preciso "tomar cuidado" com mais concessões no texto da reforma da Previdência, que já perdeu 30% do ajuste que seria feito pelo projeto original. "É muito ruim começar a conversa entregando o paletó e daqui a pouco a gente vai ficar só de bermuda", disse.
Apesar de não trabalhar com mais concessões, Maia reconheceu que no Plenário da Câmara a matéria possa ter alterações. "Temos que manter o texto, trabalhar com texto. Se lá na frente algo acontecer, se não tiver voto, vamos trabalhar outros textos."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia