Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 17h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/09/2017 - 08h48min. Alterada em 04/09 às 08h55min

Cobre opera em alta, beneficiado por dólar mais fraco

O cobre opera em alta nesta segunda-feira (4), beneficiado pelo dólar mais fraco. Além disso, os investidores monitoram as notícias geopolíticas, após o mais recente teste nuclear da Coreia do Norte.
Às 8h05min (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,85%, a US$ 6.904,50 a onça-troy, na London Metal Exchange (LME). Às 8h15min, o cobre para dezembro tinha alta de 0,95%, a US$ 3,1475 a libra-peso, no pregão eletrônico da Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
As tensões diplomáticas mexeram com o mercado cambial. O dólar em geral está mais fraco hoje, o que torna o cobre mais barato para os detentores de outras divisas e impulsiona a demanda dos investidores.
Economista especializada em commodities da consultoria Capital Economics, Simona Gambarini disse que a fraqueza do dólar ajuda a manter o impulso do dólar.
Mais adiante, investidores continuarão a monitorar as novidades sobre a Coreia do Norte. Hoje, os integrantes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas se reúnem para discutir o caso do país, após o teste nuclear de Pyongyang no domingo.
Na Europa, investidores também acompanharão a reunião do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, enquanto nos EUA o foco estará na discussão sobre a potencial paralisação do governo, caso o Congresso não aprove a elevação do teto da dívida, segundo a economista da Capital Economics.
Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,28%, a US$ 3.199 a tonelada, o alumínio recuava 0,44%, a US$ 2.131,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,02%, a US$ 20.705 a tonelada, o níquel avançava 0,58%, a US$ 12.205 a tonelada, e o chumbo recuava 0,08%, a US$ 2.400 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia