Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 15h18.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 14/09/2017.
Alterada em 14/09 às 15h22min
COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Digital

Tallis Gomes: lições de um empreendedor

Tallis Gomes

Tallis Gomes


LEO NEVES/DIVULGAÇÃO/JC
Eleito, em agosto, o jovem mais inovador do mundo pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), o fundador do Easy Taxi, Tallis Gomes, estará em Porto Alegre na próxima segunda-feira. Ele fará uma sessão de autógrafos, na Livraria Cultura, no Bourbon Country, do seu livro Nada Easy: O passo a passo de como combinei gestão, inovação e criatividade para levar minha empresa a 35 países em 4 anos.
A obra traz muitas passagens curiosas, como a que ele conta que quase precisou fechar a startup em função de uma enrascada jurídica. Em 2011, no início da Easy Taxi, o jovem se dividia entre a Tech Samurai e a nova empreitada. Foi então que chamou um profissional para exercer a sua função durante o período do dia e, como não tinha caixa, cedeu uma porcentagem de ações para o seu parceiro. No entanto esse profissional não entregou o que tinha sido contratado para entregar, o que acabou fazendo com que ele saísse da operação. Como tudo era informal, o antigo parceiro achou uma brecha para processar Tallis. Sem dinheiro para pagar um bom profissional para defendê-lo, ele resolveu fazer um pitch (jargão das startups para as apresentações da empresa a possíveis investidores) para os advogados prometendo que, se aceitassem o caso, ele os pagaria assim que recebesse um investimento. Eles aceitaram o caso e, mais tarde, Tallis acabou fazendo um acordo com o antigo funcionário. "Tive que aprender na marra que, para abrir uma empresa, você precisa, sim, de algum dinheiro, principalmente para pagar o advogado", comenta Tallis, que agora está à frente da Singu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patricia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.