Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de agosto de 2017. Atualizado às 23h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 29/08 às 22h26min

Joesley e advogado de Cunha visitam procurador

O empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, foi a uma reunião na sede da Procuradoria do Distrito Federal na tarde de ontem. A audiência, que durou pouco mais de duas horas, foi com Anselmo Lopes, procurador responsável pelo acordo de leniência da J&F.
Joesley estava acompanhado de Ticiano Figueiredo, advogado do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), delatado pela JBS e preso desde outubro do ano passado pela Lava Jato.
Em rápido contato com a reportagem na saída do prédio, o empresário disse que estava "fazendo uma visita" ao procurador, que não via desde o processo de delação premiada. Os dois, Joesley e o advogado, entraram juntos no mesmo carro e foram embora do local.
"Advogo para Joesley há anos, bem antes da delação, e, obviamente, em causas que não guardam relação com as de Eduardo Cunha. Da mesma forma que não advogamos em causas do Eduardo (Cunha) que guardam relação com a JBS", disse o advogado, que tem outros clientes empresários e políticos.
Ele, porém, não quis comentar o motivo da reunião com o procurador. A assessoria de imprensa do Ministério Público disse não ter informações a respeito da audiência.
Alvo de ao menos 30 investigações, o ex-presidente da Câmara conta com outros advogados para as suas defesas. Cunha já foi condenado pelo juiz Sérgio Moro e é também réu em quatro processos.
Na segunda-feira, Rodrigo Rios, um dos advogados do ex-deputado, abandonou a defesa, no dia seguinte em que foi divulgada uma nota feita por Cunha na cadeia em que ele acusa o ministro Edson Fachin, do STF, de obstruir pedidos de liberdade e beneficiar os delatores da JBS.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia