Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de agosto de 2017. Atualizado às 23h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 29/08 às 21h58min

Gestão Marchezan tem 10 baixas em oito meses

Carlos Villela, especial para o JC
Próximo de fechar oito meses no cargo, o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) está diante de uma turbulência na sua gestão, com a saída de, em média, pelo menos um alto funcionário da administração municipal por mês. Desde fevereiro, três secretários, quatro diretores de órgãos, dois procuradores-gerais e o líder do governo da Câmara Municipal deixaram os cargos.
O primeiro a sair foi Luís Fernando Ferreira, nomeado por Marchezan para o cargo de presidente da Carris, e que em fevereiro renunciou ao cargo 20 dias depois da posse com o argumento de que se dedicaria a projetos particulares. No final de maio, o secretário adjunto de Cultura, Eduardo Wolf, teve o desligamento anunciado da pasta comandada por Luciano Alabarse. Contudo, a polêmica maior foi por conta da saída de Kevin Krieger (PP), secretário de Relações Institucionais e coordenador da campanha vitoriosa de Marchezan à prefeitura, que deixou o cargo por um desentendimento com o prefeito. De acordo com interlocutores, Krieger se sentia desprestigiado e teve um confronto direto com Marchezan.
Em junho, o procurador-geral municipal Bruno Miragem pediu demissão justificando ter motivos pessoais para isso, e negando ter tido qualquer atrito com o prefeito. No lugar de Miragem, assumiu a procuradora municipal Eunice Ferreira Nequete. Também na área jurídica, a procuradora-geral da Carris Jaqueline Simões pediu demissão por motivos não anunciados.
Em agosto, aconteceu o maior número de baixas. Primeiro, o diretor-geral do DMLU, Adenir Matos dos Santos, que deixou o cargo por “motivos pessoais”, enquanto seu antecessor, Álvaro de Azevedo, foi desligado da função pelo Executivo em junho por uma “decisão de gestão”. Depois, o diretor da Procempa, Michel Costa, renunciou ao cargo para deixar correr uma sindicância a respeito de suas atividades empresariais. Em seguida, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Gomes (PP), pediu demissão por causa do projeto de revisão do IPTU municipal. Ligado ao Movimento Brasil Livre (MBL), Gomes afirmou que não se sentiu à vontade de continuar integrando a administração por conta do aumento de imposto que a revisão vai gerar.
A última baixa até o momento foi a do “homem-forte” do prefeito na Câmara, já que, na noite de segunda-feira, o Executivo desligou o vereador Claudio Janta (SD) do cargo de líder do governo, que ocupava há quase oito meses. Com uma relação conflituosa com a prefeitura, no fim de julho ele pediu publicamente a retirada dos projetos que modificam o sistema de transporte público. O estopim para a demissão foi a ação protocolada por Janta na Justiça pedindo a volta da segunda passagem gratuita de ônibus.
Janta, que previamente havia dito que não tinha intenção de sair do cargo, falou que foi pego de surpresa pela demissão e soube através da imprensa. No lugar de Janta, assume o vereador Moisés Maluco do Bem (PSDB), primeiro suplente da coligação que elegeu Marchezan e único tucano na Câmara.
Afastamentos da administração municipal
Luis Fernando Ferreira - presidente da Carris
• motivo da saída: dedicação a projetos pessoais
Eduardo Wolf - Secretário adjunto da Cultura
• motivo da saída: divergências de opinião
Kevin Krieger (PP) - Secretário de Relações  Institucionais
• motivo da saída: descontentamento com espaço no governo
Bruno Miragem - Procurador-geral do município
• motivo da saída: retorno à carreira de professor universitário
Álvaro de Azevedo - diretor-geral do DMLU
• motivo da saída: exonerado por decisão de gestão
Jaqueline Simões - Procuradora-geral da Carris
• motivo da saída: não anunciado
Adenir Matos dos Santos - diretor-geral do DMLU
• motivo da saída: motivos pessoais
Michel Costa - diretor da Procempa
• motivo da saída: renúncia para não interferir em investigação
Ricardo Gomes (PP) - Secretário de Desenvolvimento Econômico
• motivo da saída: discordância sobre aumento do IPTU
Claudio Janta (SD) - Líder do governo Marchezan na Câmara
• motivo da saída: demitido após abrir ação judicial contra decreto de Marchezan
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia