Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de agosto de 2017. Atualizado às 23h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 29/08 às 23h12min

Supremo adia julgamento de José Otávio Germano

Germano é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo MPF

Germano é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo MPF


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) interrompeu, na tarde de ontem, o julgamento da denúncia contra o deputado federal gaúcho José Otávio Germano (PP) e outros seis colegas de partido. Os cinco ministros decidiram retomar a sessão na próxima terça-feira, pois a previsão, depois da manifestação da defesa, era de que esta se estendesse pela madrugada desta quarta-feira.
O inquérito, instaurado em decorrência da Operação Lava Jato, foi ajuizado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra parlamentares do Partido Progressista (PP), acusados de suposta prática dos delitos de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em fatos relacionados à Petrobras.
Além de José Otávio, foram denunciados os deputados João Pizzolatti Júnior, Mário Negromonte, Mário Negromonte Júnior, Luiz Fernando Ramos Faria, Roberto Pereira de Britto e Arthur de Lira.
De acordo com a denúncia, os citados parlamentares do PP sustentariam politicamente o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que tinha a função de garantir que apenas empresas cartelizadas, previamente combinadas e dispostas a pagar propina de 1% do valor dos contratos a serem celebrados fossem vencedoras das contratações no âmbito da estatal.
A indicação do diretor era essencial para implementação e manutenção de um projeto criminoso que visava obter vantagens econômicas indevidas em contratos com grandes construtoras, sustenta o procurador-geral.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia