Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 22h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Zelotes

Notícia da edição impressa de 22/08/2017. Alterada em 21/08 às 21h11min

PGR faz denúncia contra Jucá por corrupção passiva

Romero Jucá é investigado em dois inquéritos no STF

Romero Jucá é investigado em dois inquéritos no STF


EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO/JC
A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ontem o senador Romero Jucá (PMDB-RR) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Zelotes, que apura esquema de compra de decisão em recursos tributários e de emendas em medidas provisórias no Congresso Nacional.
Presidente nacional do PMDB, Jucá é investigado em dois inquéritos da Zelotes no Supremo Tribunal Federal (STF). O primeiro apura se ele e o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) participaram de suposto esquema de lavagem de dinheiro e corrupção. Eles teriam recebido propina do esquema no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).
No segundo, as suspeitas são de que Jucá teria alterado o conteúdo de uma medida provisória (MP) a mando do presidente do Conselho de Administração do grupo Gerdau, Jorge Gerdau Johhanpeter. Foi nesta investigação que a PGR denunciou Jucá, apurou a reportagem. O caso está em segredo de Justiça. Em relatório, a Polícia Federal (PF) apontou indícios de participação de Jucá no esquema.
Os principais alvos da Zelotes são o esquema descoberto no Carf e indícios de venda de três medidas provisórias - entre elas a 627, de 2013, que impactava nas regras de tributação do lucro das multinacionais no exterior e da qual Jucá era relator-revisor.
O texto foi aprovado pelo Congresso e sancionado pela presidência da República com ao menos uma alteração idêntica à que foi sugerida pela Gerdau.
O ministro Ricardo Lewandowski é o relator da Zelotes no Supremo. Agora, caberá a ele ouvir a defesa, elaborar um relatório e levar a denúncia para ser analisada em colegiado, na Segunda Turma do STF, composta por outros quatro ministros: Edson Fachin, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli.
Se os ministros aceitarem a denúncia, Jucá vira réu no Supremo. Caso a rejeitem, a denúncia é arquivada. O advogado de Jucá, Antônio de Almeida Castro, o Kakay, disse estar "perplexo com a denúncia". "Acompanhei o inquérito e nenhum indício foi produzido. Esperávamos que fosse arquivado, até mesmo pela posição da PF no dia que levei Jucá para depor", afirmou.
Para o criminalista, denunciar o cacique do PMDB faz parte de uma "estratégia" do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que anunciou que teria "flechas" enquanto houvesse bambu. "Acho lamentável. A apresentação da denúncia é grave e ofensiva à honorabilidade de quem é denunciado."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia