Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 14h54.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

21/08/2017 - 14h53min. Alterada em 21/08 às 14h57min

Gilmar Mendes diz que há sinais claros da presença do crime organizado na política

Ministro afirmou que entre 40% e 50% das doações para a campanha de 2016 foram feitas por "laranjas"

Ministro afirmou que entre 40% e 50% das doações para a campanha de 2016 foram feitas por "laranjas"


ROBERTO JAYME/ASCOM/TSE/ARQUIVO/JC
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou que já há sinais "claros" no Brasil da presença do crime organizado na política, como ocorre no México, país que ele visitou recentemente.
"O México lida com um problema seríssimo, que é a presença do crime organizado na política, e nós já temos sinais disso aqui, de maneira bastante clara. Vamos querer que o narcotráfico, que as milícias, financiem as campanhas?", questionou o ministro do durante do Fórum Estadão que discutiu a reforma política.
"Temos que discutir o custeio da democracia. É inevitável", disse ele ressaltando que se houvesse uma consulta popular as pessoas seriam contra o financiamento público e o corporativo.
Gilmar Mendes disse, citando dados do TSE, que na campanha de 2016 houve 750 mil doadores. Deste total, ao menos 300 mil não tinham capacidade financeira. "Isso demonstra o uso de laranjas para doação, mas não em um porcentual baixo, um porcentual que vai a 40%, 50%", afirmou, ressaltando que os números são "preocupantes".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia