Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de agosto de 2017. Atualizado às 18h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Alterada em 17/08 às 18h08min

Ministro do STF deve julgar até semana que vem pedido da OAB sobre impeachment de Temer

Agência O Globo
O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quinta-feira que vai decidir até o início da próxima semana o mandado de segurança da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em que pede para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidir se aceita ou não o pedido de impeachment do presidente Michel Temer feito pela entidade. A OAB pediu a abertura de processo contra Temer na Câmara em 25 de maio, com base nas delações dos empresários da JBS. Para a entidade, ainda que não haja na legislação um prazo estipulado para a decisão, Maia comete um ato ilegal ao não tomar uma posição.
Alexandre de Moraes também é relator de um outro mandado de segurança, apresentado ao STF no fim de junho, em que deputados de oposição fizeram o mesmo questionamento da OAB. O ministro disse que decidirá as duas ações ao mesmo tempo, já que tratam do mesmo assunto. Moraes já pediu informações a Maia sobre o caso em junho, para auxiliar no julgamento da ação. O ministro disse que recebeu ontem a resposta do presidente da Câmara. O documento ainda não foi disponibilizado no andamento processual do STF.
"Embora o artigo mencionado não estipule um prazo para que seja realizado tal ato, o não processamento da denúncia pelo Excelentíssimo Presidente da Câmara dos Deputados representa ato ilegal e omissivo e, ao final, revela grave violação aos preceitos constitucionais", diz a ação da OAB, que leva a assinatura do presidente da entidade, Claudio Lamachia.
Enquanto o pedido de impeachment encontra-se parado, a Câmara rejeitou no início do mês dar autorização para que o STF analisasse denúncia da prática do crime de corrupção passiva por Temer, também feito com base na delação da JBS.
A denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa Temer de ter recebido recursos por meio do ex-assessor Rocha Loures, flagrado recebendo uma mala de dinheiro de um executivo da empresa após solicitação de interferência junto a órgãos do governo. Com a decisão da Câmara, o processo criminal contra Temer só será analisado após ele deixar o cargo de presidente.
Procurado pelo Globo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não quis se manifestar sobre o tema.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia