Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de agosto de 2017. Atualizado às 09h55.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

06/08/2017 - 09h55min. Alterada em 06/08 às 09h58min

Presidente do TRF4 diz que sentença de Moro para Lula é 'tecnicamente irrepreensível'

Thompson Flores Lenz compara a decisão à sentença do juiz no caso Vladimir Herzog

Thompson Flores Lenz compara a decisão à sentença do juiz no caso Vladimir Herzog


MARCO QUINTANA/JC
O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, disse que a sentença em que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, "é tecnicamente irrepreensível, fez exame minucioso e irretocável da prova dos autos e vai entrar para a história do Brasil".
Ele comparou a decisão de Moro à sentença que o juiz Márcio Moraes proferiu no caso Vladimir Herzog - em outubro de 1978, quando condenou a União pela prisão, tortura e morte do jornalista. "Tal como aquela, não tem erudição e faz um exame irrepreensível da prova dos autos", disse o desembargador.
O TRF-4 é a segunda instância de julgamento dos recursos da Operação Lava Jato. Até quinta-feira (3), em três anos e cinco meses de força-tarefa, 741 processos já haviam chegado lá, 635 dos quais baixados. Entre os que estão na iminência de dar entrada está a apelação da defesa do ex-presidente Lula contra a sentença de Moro, a ser julgada pela 8ª Turma, composta por três desembargadores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia