Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

Notícia da edição impressa de 04/08/2017. Alterada em 03/08 às 21h45min

FHC admite que PSDB está dividido

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC - PSDB) admitiu, nesta quinta-feira, que o PSDB está dividido e que a probabilidade de abandonar o governo de Michel Temer é "de meio a meio".
Tentando amenizar a situação, o tucano, porém, afirmou que a crise política que o Brasil enfrenta "preocupa mais" que os problemas internos do seu partido. "A situação é ruim, porque o PSDB está dividido. A votação de quarta-feira mostrou isso, e o PSDB não está fora desse jogo geral dos partidos. Houve perda de crença nos partidos, e isso inclui o PSDB. A essa altura, me preocupa menos o PSDB do que o conjunto da situação política brasileira. O sistema político que nós criamos, a Constituição de 1988, está esgotado", disse o tucano em São Paulo, um dia após Michel Temer sair vitorioso de uma votação na Câmara que barrou o pedido da Procuradoria da República para que fosse processado por corrupção. No total, 22 deputados do PSDB votaram a favor de Temer, 21 deram voto contrário, e quatro se ausentaram. Atualmente, o partido detém postos em quatro ministérios: Relações Exteriores (Aloysio Nunes), Cidades (Bruno Araújo), Direitos Humanos (Luislinda Valois) e Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia