Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 00h45.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 03/08/2017. Alterada em 02/08 às 22h02min

Vereador Claudio Janta pede a retirada de projetos de Marchezan

Rumores sobre a saída de Janta da liderança não se concretizaram

Rumores sobre a saída de Janta da liderança não se concretizaram


LEONARDO CONTURSI/LEONARDO CONTURSI/CMPA/JC
Carlos Villela, especial para o JC
"Se o governo retirar esses projetos, terá um líder como teve no primeiro semestre defendendo seu governo e projetos bons para Porto Alegre. Agora, esses projetos não poderei defender", disse Claudio Janta em seu primeiro discurso após o fim do recesso parlamentar.
Após a especulação de que abriria mão do cargo de líder do governo na Câmara Municipal, o vereador Claudio Janta (SD) afirmou ontem na tribuna que não pretende deixar o cargo. Contudo, pediu que o governo retire os projetos do pacote enviados à Casa. "O sistema de ônibus está sendo sucateado", afirmou Janta, "mas tenho convicção de que tudo que está sendo proposto não vai resolver o sistema de transporte de Porto Alegre".
O líder do Executivo na Casa também pediu a retirada do projeto que move o pagamento do décimo terceiro salário no quinto dia útil de janeiro, criticando o impacto negativo que pode ter no comércio de Porto Alegre.
Assim, Janta deu continuidade às críticas que vinha vocalizando desde domingo, quando, em uma publicação na sua página no Facebook, manifestou que não havia sido consultado a respeito do pacote de projetos que altera o modus operandi do sistema de transporte público municipal, sendo o principal deles o fim da segunda passagem gratuita no intervalo de uma hora.
Destacando que se pronunciava na condição de vereador e não de líder do governo, Janta apontou sua insatisfação com a falta de diálogo entre o Executivo municipal e os parlamentares, algo que já vinha sendo apontado por diversos vereadores, inclusive da base, como Cassiá Carpes (PP).
Após seu discurso, Janta foi bastante elogiado por seus colegas. Ainda assim, as conversas nos bastidores da Câmara afirmam que Janta não ficará por muito tempo como líder do governo, mas que o corte de relações provavelmente será feito por parte do próprio prefeito.

Vereadores da oposição vão ao Ministério Público contra fim da gratuidade da segunda passagem

Na sessão desta quarta-feira, repercutindo as ações do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) em relação à extinção da gratuidade da segunda passagem, 16 vereadores assinaram um requerimento para entrar com ação para reverter o decreto do tucano.
Além da oposição, formada pelo PT e PSOL, também deram suas assinaturas os integrantes das bancadas do PSB e PDT e os vereadores André Carús (PMDB), Dr. Thiago (DEM), Tarciso Flecha Negra (PSD) e Cassiá Carpes (PP). São praticamente todos os vereadores que também se manifestaram de forma contrária ao aumento da alíquota de contribuição do Previmpa, na controversa votação no final de junho na Câmara. Após a apresentação do requerimento, os vereadores vão se encontrar, na tarde desta quinta-feira, com o procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo Da Camino, para discutir a inconstitucionalidade e a irregularidade dos projetos.
De acordo com o vereador Alex Fraga (PSOL), a extinção da segunda passagem seria apenas um dos projetos questionáveis feitos por Marchezan durante o recesso, citando também o fim do projeto EJA (Educação de Jovens e Adultos) e do Unipoa, programa de bolsas para a graduação. Ele diz que, ainda assim, a irregularidade a respeito do fim da segunda passagem gratuita é porque a prefeitura não manifestou interesse em fazer a revisão do preço da passagem, algo que deve ser realizado a cada mudança ou extinção de benefício.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia