Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 13 de agosto de 2017. Atualizado às 22h47.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 14/08/2017. Alterada em 13/08 às 17h29min

Recuperação judicial e a economia do País

Mauro Johashi
Em um contexto de crise econômica, é necessário assegurar soluções que viabilizem o reestabelecimento financeiro das empresas. Entre as possibilidades a serem consideradas, deve-se destacar a recuperação judicial, cujo objetivo é preservar as atividades operacionais do negócio, a manutenção de empregos diretos e indiretos e a proteção dos direitos dos credores.
A Lei nº 11.101/2005 permitiu que fossem abertos, nos últimos 10 anos, mais de 6.200 processos do gênero. Cerca de 50% desses casos foram iniciados nos últimos dois anos. Quando proposto, o plano de recuperação deve conter um panorama da empresa e do mercado e a lista de todos os credores com as quais a companhia se relaciona.
A grande vantagem é que a gestão da companhia pode colocar em prática um plano de ação, com respaldo jurídico, cujo objetivo é o retorno sustentável ao pleno funcionamento da empresa. É possível organizar o pagamento de dívidas e carências, mas mantendo o negócio com fôlego para estabelecer capital de giro.
Em um mercado carente de opções de financiamento, a recuperação judicial tem contribuído de forma importante para a saúde econômica do país. No entanto, devem ser extraídas importantes lições para que situações similares não voltem a ocorrer, a começar pela maior precisão e transparência nas operações contábeis, ainda uma dificuldade de parte do pequeno e médio empresariado.
Por mais crenças de que o produto ou serviço sejam rentáveis, o que conta é o resultado da proporção entre rentabilidade, custo e despesa para girar o negócio. A contabilidade funciona como uma grande fotografia, que pode até permitir a atração de investidores mesmo se a operação estiver no vermelho. Afinal, números confiáveis estão sendo apresentados, demonstrando o preparo da empresa para situações mais nebulosas e para se reabilitar plenamente.
Sócio-diretor da BDO
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia