Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 26 de agosto de 2017. Atualizado às 14h13.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 26/08 às 14h15min

EUA reavaliam lançamento norte-coreano e dizem que dois mísseis não falharam

O Comando do Pacífico dos Estados Unidos revisou sua avaliação do último lançamento norte-coreano de mísseis, e passou a considerar que o primeiro e terceiro projéteis não falharam durante o voo. O porta-voz do Comando do Pacífico, comandante Dave Benham, disse que os dois mísseis voaram 250 quilômetros. Segundo ele, o terceiro míssil parece ter explodido imediatamente.
Benham afirmou que os militares continuam realizando uma avaliação mais detalhada. Inicialmente, o Comando do Pacífico havia indicado que três dos mísseis de curta distância lançados pela Coreia do Norte falharam.
A mais recente atualização do comando norte-americano se aproximou da avaliação dos militares sul-coreanos, que não mencionaram falhas de mísseis.
Mais cedo, o escritório presidencial da Coreia do Sul também disse que a Coreia do Norte provavelmente testou seu sistema de foguete de artilharia de 300 milímetros. O analista de segurança sul-coreano Kim Dong-yub explicou que as avaliações sul-coreanas não contradizem as avaliações militares dos EUA, que identificaram os lançamentos como mísseis balísticos de curto alcance.
Segundo Kim, os foguetes de grande porte norte-coreanos ficam no limite entre sistemas de artilharia e mísseis balísticos porque criam seus próprios impulso e são guiados durante a entrega.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia