Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de agosto de 2017. Atualizado às 15h39.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 18/08 às 15h43min

Casa Branca confirma que estrategista-chefe Steve Bannon deixa governo dos EUA

Saída de Bannon representa sexta baixa importante no governo Trump

Saída de Bannon representa sexta baixa importante no governo Trump


BRENDAN SMIALOWSKI / AFP/JC
O estrategista-chefe da presidência dos Estados Unidos, Steve Bannon, deixa o governo e só trabalha até esta sexta-feira (18), afirmou a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders. A porta-voz disse que Bannon e o chefe de gabinete do governo, John Kelly, "concordaram mutuamente" em que ele deixará o posto. Mais cedo, a imprensa americana reportou que a saída dele era iminente.
Bannon sai da administração no momento em que o novo chefe de gabinete, John Kelly, busca organizar as disputas internas na Casa Branca. Sua partida representa o sexto caso de um importante membro da Casa Branca a deixar o posto. O governo ainda não conseguiu uma grande vitória legislativa, apesar de que os republicanos controlam o Congresso.
Ex-banqueiro e executivo da mídia, Steve Bannon é apontado como crucial para a vitória de Trump na eleição do ano passado. Ele entrou na campanha nos meses finais, quando Trump se saía mal nas pesquisas, com dois dígitos de desvantagem. Decidiu que o republicano parasse de conceder entrevistas coletivas e privilegiasse mais discursos de campanha, com foco no fechamento das fronteiras, na renegociação de acordos internacionais de comércio e em críticas pessoais contra a candidata democrata, Hillary Clinton.
Bannon é o membro do governo mais associado com os conservadores e o nacionalismo populista. A saída dele deve dar mais peso a vozes mais moderadas da administração, entre eles o secretário de Estado, Rex Tillerson, e o diretor do Conselho Econômico Nacional, Gary Cohn.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia