Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de agosto de 2017. Atualizado às 14h29.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

áfrica do sul

Alterada em 08/08 às 14h34min

Presidente Jacob Zuma sobrevive a moção de desconfiança na África do Sul

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, superou nesta terça-feira mais uma moção de desconfiança no Parlamento, na mais séria tentativa de tirá-lo do posto, após meses de descontentamento com as acusações de corrupção e a piora na economia. Zuma já havia superado seis tentativas anteriores de forçá-lo a renunciar, mas pela primeira vez a votação dos legisladores foi secreta, após a surpreendente decisão na segunda-feira do presidente do Parlamento, Balek Mbete, de permitir isso.
A oposição avaliava que o voto secreto encorajaria deputados do governista Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês) a votar contra Zuma. Houve 177 votos a favor da saída dele, mas 198 votaram contra, disse Mbete. Outros nove deputados se abstiveram.
Alguns dos 249 membros da ANC ou votaram com a oposição, ou se abstiveram ou não compareceram para a votação. Isso, porém, não foi suficiente para mudar o resultado.
Sul-africanos têm feito protestos quase diários, após o vazamento de e-mails que mostravam como o presidente, sua família e vários ministros teriam ajudado a controversa família Gupta a conseguir bilhões de dólares com contratos fraudulentos com o governo.
Zuma e os ministros implicaram negaram as alegações, bem como os Gupta, uma família de origem indiana que construiu um império corporativo que vai da mídia à mineração. O escândalo, porém, provocou divisões no ANC e levou a aprovação de Zuma à mínima. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia