Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de agosto de 2017. Atualizado às 15h38.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

Alterada em 28/08 às 15h38min

Justiça do DF libera Pizzolato a trabalhar em Brasília

Agência O Globo
A Justiça do Distrito Federal autorizou o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato a trabalhar durante o dia. Preso no mensalão, Pizzolato cumpre a pena no Complexo da Papuda.
O Ministério Público (MP) questionou a proposta de trabalho "nos moldes propostos", porque o proprietário da empresa onde Pizzolato vai trabalhar pertence a um companheiro de cela.
Na decisão, a juíza Leila Cury ressalta que o benefício, "além de ser fundamental para ressocialização", também é "compatível com o regime semiaberto, independentemente do cumprimento do requisito de 1/6 da pena".
Cury lembra ainda que "a concessão do benefício de trabalho externo, neste momento, constitui uma possibilidade de se avaliar a disciplina, autodeterminação e responsabilidade do reeducando antes de uma possível transferência para um regime de pena mais avançado".
A juíza determinou que o local, os dias e os horários das atividades sejam regularmente fiscalizados. A empresa assinou um termo de compromisso e também será responsável pela supervisão do trabalho.
Pizzolato fugiu para a Itália antes de ser preso, mas foi extraditado para o Brasil em outubro de 2015. Na Itália, ele ficou atrás das grades por alguns meses, tempo que foi computado como parte da pena. Ele foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro no esquema do mensalão do PT.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia