Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de agosto de 2017. Atualizado às 09h17.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

fiscalização

18/08/2017 - 19h37min. Alterada em 19/08 às 09h01min

MP recomenda que prefeito intervenha no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre

A medida também busca evitar a aglomeração de pessoas nas ruas durante a madrugada

A medida também busca evitar a aglomeração de pessoas nas ruas durante a madrugada


MARIANA CARLESSO/JC
O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, terá prazo de 30 dias para implementar um plano de intervenção no bairro Cidade Baixa, na região central da Capital. A recomendação, expedida nesta sexta-feira (18), é da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público do Estado.
O documento é uma resposta para as reclamações dos moradores da Cidade Baixa, que reclamam do horário ampliado de funcionamento de casas noturnas. Os moradores relatam que no bairro há estabelecimentos noturnos clandestinos ou com funcionamento em contrariedade com os respectivos licenciamentos, além de haver aglomeração de pessoas nas madrugadas.
A intervenção deverá limitar, segundo a Promotoria, o horário das atividades de bar, restaurante, café e lancheria na Cidade Baixa, em qualquer dia da semana, até às 24h. O Município deverá, também, reavaliar todos os alvarás provisórios e definitivos dos estabelecimentos do local.
O prefeito terá que elaborar, também, o Programa de Implantação para a Área de Animação para fiscalizar, por meio da EPTC, os carros que utilizam som e obstruem as vias públicas do bairro.
Por fim, o documento sugere que seja criado um canal de diálogo permanente com os moradores para permitir a veiculação de reclamações e assegurar o equacionamento de soluções.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Daniela 21/08/2017 17h54min
Se as pessoas tivessem bom senso e não ficassem berrando no meio da rua, nada disso aconteceria. Eu frequento bastante a CB e posso afirmar que o problema é que essa gurizadinha da Cidade Baixa enche a cara e depois fica fazendo porcaria na rua, não respeitam os moradores e ainda se acham com razão. É só ver o que ocorre em frente ao Zaffari da Lima e Silva... Se comportam como crianças mimadas e não querem arcar com as consequências.
Cris 20/08/2017 08h12min
Querem acabar com a vida noturna, impedir o divertimento do pessoal mas nao se preocupam com a seguranca publica... AFF... Porto Alegre já é uma cidade morta mesmo, só esta agonizando... Cheia de gente velha, chata, ranzinza... Já que nao vivem, nao se divertem, querem acabar com a alegria dos outros.n
Júlio César Cardoso 19/08/2017 13h16min
Já passava da hora de se estabelecer regras para a vida noturna da Cidade Baixa. Afinal, trata-se de área residencial e como tal tem que ter tratamento equânime às demais áreas residenciais.