Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de agosto de 2017. Atualizado às 00h45.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

Notícia da edição impressa de 03/08/2017. Alterada em 02/08 às 21h16min

Latrocínios caem, mas homicídios dolosos aumentam no Estado

Os dados estatísticos da criminalidade no Rio Grande do Sul registram queda, pelo segundo trimestre consecutivo, nos índices de latrocínio - redução de 29%. No primeiro semestre de 2016, foram 100 ocorrências, e nos primeiros seis meses de 2017, 71. Os dados da criminalidade referentes ao primeiro semestre deste ano foram liberados ontem pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP). Embora o número de latrocínios tenha caído, o número total de mortes em homicídios dolosos subiu de 1.407 para 1.541, um aumento de 7,9%.
O crime de homicídio doloso não foi o único a crescer no Estado. Roubos e roubos de veículo também aumentaram, de acordo com os registros. Em contrapartida, estelionatos, abigeatos, furtos, furtos de veículo, ameaças contra mulheres, estupros de mulheres, furtos e roubos a bancos registraram queda.
Na Capital, o cenário é um pouco mais alentador. Os dois crimes mais graves, homicídio doloso e latrocínio, registraram queda entre um ano e outro. No primeiro semestre de 2016, foram 394 vítimas de homicídio doloso, contra 355 em 2017. E, em 2016, houve 24 ocorrências de latrocínio na Capital, contra dez registradas nos primeiros seis meses de 2017 pessoas.
O secretário Cezar Schirmer considera positivo o percentual de queda nesses crimes. "Não foi apenas uma manutenção da curva descendente. Quase dobramos o percentual de queda em relação ao primeiro trimestre, no qual já era observada redução. Um dado significativo, que demonstra a efetividade da estratégia que colocamos em prática", ressaltou. Ele se refere ao trabalho qualificado de investigação da Polícia Civil e ao reforço no policiamento ostensivo. O secretário afirma que o impacto da Operação Pulso Firme, que transferiu 27 criminosos de alta periculosidade para presídios federais na semana passada, deve ser notado nos próximos meses.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/08/02/206x137/1_lat-1601965.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'59826ace576fa', 'cd_midia':1601965, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/08/02/lat-1601965.jpg', 'ds_midia': 'Os números do Crime no Rio Grande do Sul', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'Os números do Crime no Rio Grande do Sul', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '500', 'cd_midia_h': '638', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia