Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de agosto de 2017. Atualizado às 22h23.

Jornal do Comércio

Expointer 2017

COMENTAR | CORRIGIR

Bovinos de Corte

Notícia da edição impressa de 31/08/2017. Alterada em 30/08 às 21h24min

CNBC que melhorar a imagem do produtor brasileiro

A Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte (CNBC) esteve reunida ontem no espaço do Senar-RS, durante a 40ª Expointer. Presidentes das Federações de Agricultura e Pecuária e membros da CNBC discutiram os principais desafios e estratégias para o crescimento e a valorização da carne brasileira perante os mercados nacional e internacional.
A reunião foi conduzida pelo presidente da CNBC, Antônio Pitangui de Salvo, que ressaltou a importância de aliar estratégias entre os diversos setores do mercado. Conforme ele, a valorização do setor beneficia todos os elos da cadeia, desde o produtor até fornecedores de insumos, medicamentos, implementos e indústrias. Na ocasião, Salvo expôs o termo de cooperação entre a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e a Associação Brasileira de Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), que contém sete pontos para alavancar a indústria da carne brasileira e melhorar a imagem do setor no exterior. "O principal ponto deste acordo é a aproximação. Precisamos ter um relacionamento melhor entre o pecuarista e a indústria. Devemos estar juntos em favor de uma pecuária brasileira, com todos os elos fortificados para enfrentarmos todas as dificuldades mercadológicas que aparecem, e aparecerão muito mais, quanto mais competitivos formos nos tornando", esclarece.
A assessora de Negociações Internacionais da CNA, Camila Sande, fez uma palestra em que esclareceu a necessidade de reforçar a imagem positiva da produção brasileira de carne perante o mercado internacional. Camila garantiu que existe qualidade na produção nacional, principalmente em relação à sustentabilidade da pecuária brasileira na comparação com outros países, mas esta informação nem sempre chega ao estrangeiro. "Precisamos capitalizar a nossa sustentabilidade. O Brasil é um dos maiores produtores de proteínas, e o faz com qualidade, mas se adéqua a padrões de países com produção muito menor e diferente, que desconhecem a nossa realidade. O Brasil precisa tomar a frente deste processo e definir padrões que estejam adequados a sua realidade", alerta a assessora. Ela aproveitou a oportunidade para apresentar o programa PAM Agro, que está mapeando ações para promover a imagem dos setores agrícola e pecuário do Brasil no exterior.
O vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, ressaltou a importância do encontro para a troca de experiências, e propôs levar as principais considerações que afetam a região do Mercosul ao Grupo Farm, que reúne presidentes de Associações do Mercosul, que se encontrará na Expointer nesta quinta-feira. Gedeão Pereira reforçou ainda a importância da palestra do zootecnista Alexandre Zadra, que fez uma apresentação sobre cruzamentos de raças zebuínas e taurinas - tanto continentais quanto britânicas.
Zadra apresentou imagens e índices sobre a qualidade da carne obtida através de cruzamentos entre diferentes raças e apontou que a combinação de raças zebuínas e taurinas britânicas representa uma das melhores saídas para a obtenção de carne macia, um dos indicadores de qualidade mais procurados pelos consumidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia