Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de agosto de 2017. Atualizado às 19h23.

Jornal do Comércio

Expointer 2017

COMENTAR | CORRIGIR

Máquinas Agrícolas

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 30/08 às 19h24min

Pla promete uma nova fábrica gaúcha

Fabricante de pulverizadores ampliou presença no mercado e fechou 2016 com market share de 5%

Fabricante de pulverizadores ampliou presença no mercado e fechou 2016 com market share de 5%


MARCELO G. RIBEIRO/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Samuel Lima
A fabricante argentina de pulverizadores Pla pretende construir uma nova fábrica em território gaúcho em até dois anos. O empreendimento se somaria à unidade da empresa em Canoas, única do País, que opera desde 2004 e produz cerca de 120 máquinas por ano, alinhada com o número de vendas no Brasil.
A planta em operação tem cinco linhas de montagem e gera, atualmente, metade do que poderia, de acordo com o gerente de marketing da Pla, Rodrigo Oliva. Mas a empresa confia no aquecimento do setor de pulverizadores nos próximos anos, com uma melhora nas condições e na liberação de crédito. A meta é chegar a 500 máquinas vendidas por ano, como acontece no local de origem da empresa, o que não seria possível apenas com a atual fábrica. "O objetivo é ter um mercado, se não igual, maior que na Argentina", afirma ele.
O local da nova indústria ainda é incerto, mas Oliva adianta que será no Rio Grande do Sul, provavelmente na Região Metropolitana de Porto Alegre. "Tem que ser aqui, pela identificação do produtor. A adaptação da máquina foi muito boa na região, e o lugar que temos mais saída é o Sul", explica. Ainda não há estimativa de quanto será o investimento.
A ampliação também é importante para atender uma demanda crescente de máquinas da Pla em países do Leste Europeu, como Romênia, Rússia e Cazaquistão, que começou em 2015. Neste ano, a unidade gaúcha exportou 12 pulverizadores para lá, ganhando a concorrência com máquinas italianas no preço e na adaptação ao terreno, conforme Oliva.
No mercado interno, a Pla conseguiu elevar a participação de 2%, em 2013, para 5%, em 2016, período em que houve retração de 3,5 mil unidades vendidas para 1,9 mil. O resultado é atribuído a uma estratégia mais agressiva de mercado, a partir da aquisição da empresa por um fundo de investimento, da contratação de executivos de multinacionais e da ampliação de revendas no Brasil nesta década. A ideia é ampliar essa participação, a cada ano, em um ponto percentual.
A empresa trouxe para a 40ª Expointer dois modelos da nova geração de pulverizadores, destacando premiações recebidas em design de produtos.

Mahindra planeja expansão

Empresa indiana prevê nova planta com prioridade para o Rio Grande do Sul
Empresa indiana prevê nova planta com prioridade para o Rio Grande do Sul
MARCELO G. RIBEIRO/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Responsável direta pela própria marca no Brasil desde outubro, quando adquiriu a operação da Bramont em Dois Irmãos, a Mahindra planeja crescer no País. Hoje vendendo entre 400 e 500 tratores por ano, a indiana quer alcançar 2 mil unidades em 2022. Para atingir a meta, prevê investimentos de US$ 70 milhões até lá, incluindo uma nova fábrica, ainda em estudo.
"Até o fim do ano vamos apresentar à matriz as sugestões, que podem ser aquisições ou fábricas iniciadas do zero", comenta o diretor-geral de operações da empresa, Jak Torretta Junior. A prioridade é que também seja no Estado. A fábrica do Vale do Sinos, com capacidade para mil tratores/ano e que não pode ser expandida por estar em meio à cidade, atuará com peças. Hoje, 70% das vendas no País já são de produtos nacionais, e a nacionalização de novos modelos não depende da nova unidade. A filial brasileira ainda passará a atender Bolívia, Paraguai, Chile, Uruguai e Peru.
 

Trator a metano deve chegar em 2020

Principal atração da New Holland na Expointer passada, quando um protótipo esteve em exposição no parque, o trator movido a biometano da marca teve ontem (29) lançamento mundial, agora numa "versão conceito", durante a Farm Progress Show, em Decatur, Illinois, Estados Unidos. Virou destaque também em Esteio, onde diretores brasileiros apresentaram à imprensa novidades da multinacional: "Colocamos mais potência, torque, autonomia e cabine, com todo um design futurístico que vamos aproveitar", afirmou o gerente de marketing de produto da New Holland Agriculture, Eduardo Luís.
A projeção é que o produto entre no mercado a partir de 2020, caso haja aceitação. O principal atrativo é a redução de custos, sendo possível criar o próprio combustível e energia com resíduos da propriedade. Luís fala em redução de 10% a 30% nos custos em relação à máquina a diesel, por exemplo, mas existe o desafio de superar as versões convencionais também em performance.
O destaque do estande da New Holland na 40ª Expointer é o lançamento do pulverizador Defensor 2500. Também foram incluídas novidades deste ano como a semeadora PL6000, a linha de colheitadeiras CR EVO e duas escavadeiras, entre outras máquinas.

Valtra aposta suas fichas também na agricultura familiar

Unidades de até 100 cv foram os mais procurados no primeiro semestre
Unidades de até 100 cv foram os mais procurados no primeiro semestre
MARCELO G. RIBEIRO/MARCELO G. RIBEIRO/JC
O surpreendente aumento na procura de tratores pela agricultura familiar brasileira nos primeiros meses do ano chamou a atenção da fabricante Valtra, que dá ênfase ao segmento para alavancar as vendas após a crise. Paulo Beraldi, diretor comercial da empresa no País, destaca que cerca de 60% dos 21,5 mil tratores vendidos pelo setor entre janeiro e julho de 2017 foram unidades de até 100 cavalos de potência, característica desse público, enquanto que, historicamente, o número fica entre 40% e 45%.
A explicação estaria no acesso ao crédito. Beraldi diz que os financiamentos ficaram mais restritos para todos, mas a situação é ainda mais crítica para o grande produtor. "Ao pequeno, o governo não dá as costas", observa. De olho nisso, a Valtra teria investido em promoções para a linha de tratores de menor porte e atualizado alguns produtos, deixando-os "menos robustos" e com preço "mais razoável".
Ainda assim, a grande estrela da Valtra para a feira é uma máquina de elite: o T CVT, eleito o Trator do Ano na mais recente Agrishow, em Ribeirão Preto (SP).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia