Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de agosto de 2017. Atualizado às 23h22.

Jornal do Comércio

Expointer 2017

COMENTAR | CORRIGIR

Grãos

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 29/08 às 20h24min

Emater estima safra de verão 10% menor

Vinda de cinco safras crescentes seguidas, a produção gaúcha de grãos deve finalmente recuar em 2017/2018. Segundo a estimativa da Emater-RS, os campos do Rio Grande do Sul devem produzir 29,9 milhões de toneladas na próxima temporada, 10,09% a menos do que as 33,3 milhões de toneladas colhidas na última safra. A área plantada deve crescer 1%, para 7,578 milhões de hectares, mas um novo recorde esbarra na produtividade excepcional da última safra.
Enquanto a intenção de área plantada é levantada junto aos produtores, a estimativa da Emater-RS quanto à produtividade é feita com base em uma média ponderada das encontradas nos últimos 10 anos. O presidente da Emater-RS, Clair Kuhn, ressalta que o modelo é confiável, lembrando que a estimativa da entidade no ano passado errou apenas 0,5% em relação ao número consolidado após a colheita.
"Com as médias, conseguimos contemplar as adversidades de clima e mercado. Se fizéssemos a comparação apenas em cima da safra passada, teríamos uma margem de erro muito grande", explica o diretor técnico da Emater-RS, Lino Moura. Isso porque a última temporada, por ter sido quase perfeita, é classificada como "fora da curva" por Moura.
Engenheiro agrônomo da instituição responsável pelos estudos conjunturais, Gianfranco Bratta acrescenta que, pelo menos pelo lado do clima, a tendência atual é de neutralidade - ou seja, por enquanto, a meteorologia não prevê grandes problemas para a safra. Apesar disso, a diminuição no preço das commodities de maneira geral no último ano também ajuda a baixar a expectativa da produção. "A rentabilidade menor não só desestimula a área do plantio, mas também impacta a produtividade, pois os produtores tendem a segurar na tecnologia, usam menos adubo e sementes que talvez não sejam as de ponta", acrescenta Moura.
O preço é o principal fator para a queda mais expressiva entre os grãos, que é a esperada para o milho. A área plantada do cereal deve cair 11,65%, e, se confirmada a previsão da Emater-RS, a produção diminuirá 23,8%, atingindo 4,6 milhões toneladas. O terreno deixado pelo milho, claro, não ficará vazio: seus campos serão ocupados principalmente pela soja, cuja área crescerá 3,16%, desfazendo, de certa forma, a tendência no sentido contrário da última temporada. Bratta argumenta que, onde é possível, a decisão do produtor é feita com base no preço da saca de ambos os grãos: a opção pelo milho se dá quando a saca da soja está no máximo duas vezes mais cara do que a do milho, pois a produção da oleaginosa é mais cara. Atualmente, o preço da soja está até três vezes acima, mais do que compensando a diferença nos custos de produção.

Preços globais não devem subir

Expectativa não confirmada de perdas na safra de soja norte-americana permite previsão do bushel a US$ 10
Expectativa não confirmada de perdas na safra de soja norte-americana permite previsão do bushel a US$ 10
FERNANDO KLUWE DIAS/FERNANDO KLUWE DIAS/SECRETaRIA DA AGRICULTURA/DIVULGAÇÃO/JC
Pelo menos no trigo - próxima cultura a entrar em comercialização, no final do ano - e na soja, que corresponde a cerca de 75% de toda a área plantada do Estado, o cenário não é muito animador quanto aos preços globais.
"No trigo, não há muito espaço para subir, mas, pelo menos, também não parece possível cair mais", analisa Élcio Bento, da Safras Consultoria. A projeção do consultor é de um preço entre US$ 4 e US$ 4,50 por bushel, e valor interno intermediário entre os altos preços de 2015/2016 e os de 2016/2017, 24% menores. Embora a produção e os estoques mundiais sigam crescendo, a colheita norte-americana terá quebras, o que deve dar suporte ao valor do cereal.
Já na soja, como a expectativa de perda na safra dos Estados Unidos não se confirmou, a previsão é de preços em torno dos US$ 9/bushel atuais, não passando dos US$ 10 no curto prazo, segundo Luiz Fernando Gutierrez, também da Safras Consultoria. Os vários anos seguidos de safras acima da média também encheram os estoques e diminuíram a volatilidade do mercado. "A notícia boa é que a China continua forte na compra", conta Gutierrez, que prevê que o país asiático importe 94 milhões de toneladas. O panorama dos mercados foi passado por ambos a convite da Fecoagro-RS, na 40ª Expointer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia