Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Notícia da edição impressa de 01/09/2017. Alterada em 31/08 às 22h22min

Acordos Brasil-Reino Unido só serão assinados após Brexit

A saída do Reino Unido da União Europeia, processo conhecido como Brexit, poderá criar oportunidades para que o Brasil diversifique sua economia, mas acordos entre os dois países só serão assinados após o divórcio total com o bloco europeu se concretizar. Essa é a avaliação de Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Londres e em Washington, que participou de um seminário promovido pela Fecomércio-SP.
Para ele, boa parte das atuais negociações entre Brasil e Reino Unido são apenas "intenções". "As relações do Brasil com o Reino Unido são muito boas, não têm problemas políticos ou econômicos; e acho que há campo para ampliar os investimentos, mas, nesses próximos dois anos, pouca coisa vai acontecer", apontou.
Nesta semana, Bruxelas recebeu a terceira rodada de negociações para a saída britânica da União Europeia, mas, novamente, houve pouco avanço. Na visão de Barbosa, o Reino Unido "quer o melhor dos mundos, ou seja, participar do mercado único sem a livre circulação de pessoas e sem custo. Isso não vai acontecer".
O ex-embaixador citou, também, as negociações entre Mercosul e União Europeia, que se arrastam por 15 anos. Há um esforço em vigor para que um acordo entre os dois blocos seja assinado até o fim deste ano, incluindo a viagem do ministro brasileiro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, à Europa nesta semana, mas Barbosa mostra ceticismo com esse compromisso.
"Esse acordo só iria acontecer depois das eleições na Alemanha, e não vai dar tempo de negociar até o fim do ano. Na minha visão, se eu estivesse do lado europeu, não daria esse acordo para um governo que está terminando", disse, referindo-se à administração do presidente Michel Temer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia