Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

31/08/2017 - 19h28min. Alterada em 31/08 às 19h28min

Bolsas sobem em Nova Iorque influenciadas por dados econômicos dos EUA

Os principais índices de ações das bolsas de Nova Iorque encerraram o pregão desta quinta-feira (31), em alta, influenciados por dados econômicos dos Estados Unidos.
O índice Nasdaq terminou aos 6.428,66 pontos, com alta de 0,95% na sessão e de 1,27% no acumulado de agosto. O Dow Jones encerrou aos 21.948,10 pontos, elevação diária de 0,25% e mensal de 0,26%. O S&P 500 marcou 2.471,65 pontos no fim do pregão, subida no dia de 0,57% e de 0,05% no mês.
Dois importantes indicadores da economia americana foram divulgados nesta quinta-feira. O Departamento do Comércio informou que o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) cresceu 0,1% em julho na comparação com o mês anterior. Isso representou um pequeno progresso, após a leitura de junho mostrar estabilidade e a de maio, um recuo de 0,1%. Na comparação anual, porém, o índice do PCE manteve-se estável em alta de 1,4%, abaixo do patamar de 2,2% que chegou a ser registrado mais cedo neste ano e também inferior à meta do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), de 2%.
O núcleo do PCE, que exclui custos com energia e alimentos, cresceu 0,1% no mês de julho. O núcleo do PCE avançou 1,4% na comparação anual de julho, abaixo do 1,5% de junho e no nível mais baixo desde dezembro de 2015.
Por sua vez, o índice de atividade industrial de Chicago, elaborado pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês), ficou em 58,9 em agosto, inalterado ante o mês anterior O resultado surpreendeu analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda do indicador a 58.
Diante deste cenário, a perspectiva de que o Fed pode manter a taxa de juros inalterada neste ano - ou seja, que o custo do dinheiro permanecerá baixo - alimentou os ativos de maior risco
No noticiário corporativo, o setor de tecnologia foi mais uma vez destaque, após a Apple confirmar para 12 de setembro a data do evento anual em que geralmente ocorre o lançamento de novos produtos. As ações da companhia subiram 0,40% na sessão e tiveram elevação de 10,27% em agosto.
A elevação dos preços do petróleo também deu gás às ações em Nova York hoje. O subíndice NYSE Energy subiu 0,75%. O barril do óleo bruto tipo WTI para outubro em Nova York teve alta de 2,76%, a US$ 47,23, enquanto o do Brent para novembro, negociado em Londres, avançou 4,20%, a US$ 52,86.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia