Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de agosto de 2017. Atualizado às 00h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 31/08/2017. Alterada em 31/08 às 00h11min

Faturamento do setor de máquinas cresce 1,7%

Considerado um indicador antecedente do nível de investimentos no Brasil, o faturamento da indústria de máquinas e equipamentos subiu 1,7% em julho ante igual mês do ano passado, para R$ 5,86 bilhões, informou ontem a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). No entanto, em comparação com junho, a receita teve queda de 1,6%. Com os resultados, o setor faturou, no acumulado de janeiro a julho, o total de R$ 37,8 bilhões. O volume representa recuo de 5,6% em relação a igual período do ano passado.
O consumo aparente, cálculo que inclui as importações e exclui as exportações, para ter uma noção do tamanho da demanda interna, caiu 19,7% em julho ante igual mês do ano passado, para R$ 7,7 bilhões. Já em relação a junho, o nível aponta alta de 6,8%. Com isso, o consumo aparente acumula queda de 25,4% no ano, para R$ 48,8 bilhões.
O presidente executivo da Abimaq, José Velloso, disse que não está otimista para 2018, principalmente em razão do consumo aparente verificado até agora em 2017. "Não dá para dizer que vamos voltar a vender em 2018, por mais otimista que tenha de ser um dirigente de associação setorial. Como vou ficar otimista com um número desses?", questionou o executivo.
Segundo a Abimaq, o saldo da balança comercial da indústria de máquinas e equipamentos ficou negativo em US$ 427 milhões. O resultado indica queda de 54,2% do déficit em relação a julho do ano passado, mas alta de 70,2% na comparação com junho.
Em julho, as exportações alcançaram US$ 726,9 milhões, crescimento de 20,2% em relação a igual mês do ano passado, porém recuo de 3,4% sobre o volume de junho. As importações, por sua vez, somaram US$ 1,154 bilhão em julho, baixa de 24,5% ante julho do ano passado, mas avanço de 15% sobre o montante de junho.
No acumulado do ano, de janeiro a julho, os embarques atingiram US$ 4,81 bilhões, aumento de 4,7% em comparação com igual período de 2016. Enquanto isso, as importações somaram US$ 7,13 bilhões, retração de 27,4% sobre igual período do ano passado.
O saldo da balança comercial do setor ficou negativo em US$ 2,4 bilhões no acumulado dos primeiros sete meses do ano, baixa de 55% em relação ao déficit de período equivalente do ano passado.
O setor terminou o mês de julho com 288,7 mil funcionários, número 5,7% menor que a quantidade de julho do ano passado e 0,6% inferior ao resultado verificado no fim de junho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia