Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de agosto de 2017. Atualizado às 18h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 30/08 às 18h25min

Dólar recua em dia de ajuste com exterior favorável e aprovação da TLP

O dólar operou mais um dia próximo à estabilidade, com o movimento vendedor prevalecendo durante a tarde desta quarta-feira (30). Entre os motivos, especialistas de mercado destacaram um movimento de ajuste diante de melhor percepção de risco no exterior, aprovação do texto que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) e movimento técnico, após a moeda subir com mais força pela manhã com dados surpreendentes da economia americana.
"O enfraquecimento da moeda americana à tarde foi devido a um ajuste depois de ter avançado com mais força pela manhã", pontuou o operador da corretora Multimoney Durval Corrêa. Um gerente de mesa de derivativos explicou que esse ajuste foi possível porque o mercado está fortemente comprado e que qualquer alta mais acentuada abre espaço para queda.
Além disso, a aprovação na Câmara dos Deputados da manutenção do texto que cria a TLP - que balizará os empréstimos do BNDES a partir de 2018 -, como já era esperada, contribuiu para que a divisa dos EUA seguisse em baixa. Agora, o projeto segue para o Senado e precisa ser votado até 7 de setembro, quando a Medida Provisória 777 caduca.
A alta do dólar pela manhã não chegou a ser expressiva, uma vez que, segundo profissionais do mercado, a moeda americana está esticada em um ambiente interno aparentemente tranquilo.
O avanço de mais cedo foi puxado pelos dados positivos da economia americana. A segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA mostrou alta anualizada de 3,0% no segundo trimestre, acima da previsão de +2,8%. Além disso, o setor privado criou 237 mil empregos em agosto, melhor que a estimativa de +185 mil. "Esta melhora da economia americana gerou um cenário internacional mais favorável a ativos de risco, o que reduziu a procura por dólar", disse o economista-chefe da Guide Investimentos, Ignácio Crespo.
O operador da Multimoney lembrou ainda que os investidores seguem atentos às pautas que estão no Congresso. À tarde, após a aprovação da TLP, iniciou a sessão conjunta no Congresso para votação dos vetos remanescentes e logo em seguida, por volta das 19h30, está previsto o início da discussão sobre a mudança nas metas fiscais.
No mercado à vista, o dólar terminou em baixa de 0,16%, aos R$ 3,1605. O giro financeiro somou US$ 1,78 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1571 (-0,26%) e, na máxima, aos R$ 3,1747 (+0,29%).
No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,14%, aos R$ 3,1620. O volume financeiro movimentado somou US$ 14,20 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1575 (-0,28%) a R$ 3,1755 (+0,28%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia