Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de agosto de 2017. Atualizado às 09h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fraudes

Notícia da edição impressa de 31/08/2017. Alterada em 31/08 às 09h32min

Rede de lojas de roupas femininas é alvo de ação da Receita Estadual

Lojas Graciosa acumula dívidas de R$ 2 milhões, segundo o Fisco

Lojas Graciosa acumula dívidas de R$ 2 milhões, segundo o Fisco


SEFAZ/SEFAZ/DIVULGAÇÃO/JC
A Receita Estadual deflagrou, na manhã desta quarta-feira, a primeira de uma série de operações ostensivas voltadas ao combate a fraudes fiscais em empresas que integram o Simples Nacional. O alvo da Operação Fractio é a Lojas Graciosa, uma rede que atua no ramo de comércio varejista de vestuário feminino com pontos em Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo e Bento Gonçalves. As dívidas acumuladas com o Estado atingem o montante de R$ 2 milhões.
Na ação, que contou com a participação de 29 auditores fiscais e quatro técnicos tributários, foram feitas buscas administrativas simultâneas em sete localidades, incluindo um ponto do grupo que funciona em shopping center. A fraude vem sendo praticada por um único grupo familiar que simulava a abertura de diferentes empresas para fatiar o faturamento e se manter enquadrada dentro dos limites do regime, reduzindo o montante de impostos a serem recolhidos aos cofres públicos.
As irregularidades motivaram o nome da Operação Fractio, que significa "aquilo que é partido em pedaços", em latim. O trabalho investigativo fiscal foi iniciado há cerca de seis meses pelas equipes da Receita Estadual, tendo como escopo empresas optantes pelo Simples Nacional, regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido, aplicável às microempresas e empresas de pequeno porte (Lei Complementar nº 123, de 2006).
Outras irregularidades praticadas também foram identificadas, como a omissão de entradas e saídas e o uso de interpostas pessoas para compor a sociedade. Ações em diversos outros segmentos estão previstas pela instituição.
As empresas optantes pelo Simples Nacional, para fins de opção e permanência no regime, podem auferir em cada ano-calendário receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões. Diante disso, muitas empresas que possuem faturamento superior ao limite adotam a estratégia de se dividir em outras menores para seguir usufruindo os benefícios. Atualmente, o Estado conta com cerca de 224 mil contribuintes inscritos no Simples Nacional, que correspondem a 77% do total de inscrições.
O alto número, conforme afirma o chefe da Divisão de Fiscalização e Cobrança da Receita Estadual, Edison Moro Franchi, aumenta ainda mais a importância da operação. "O uso indevido dos benefícios do Simples promove a concorrência desleal e a sonegação de impostos. Ações como a de hoje são fundamentais para combater essas práticas, aumentando os recursos à disposição da sociedade", destacou Franchi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia