Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de agosto de 2017. Atualizado às 13h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 30/08 às 13h37min

Bolsas da Europa fecham em alta com esfriamento de tensões geopolíticas

Os principais índices acionários da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira (30) com o esfriamento das tensões geopolíticas que provocaram aversão a risco nos mercados nos últimos dias. A recuperação também foi sustentada por um recuo forte do euro em relação ao dólar em meio a dados positivos sobre a economia dos Estados Unidos.
Com esse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600, que na terça-feira (29) havia atingido o menor nível em seis meses, conseguiu fechar no campo positivo, em alta de 0,70%, aos 371,01 pontos. Para o analista David Madden, da CMC Markets, as tensões com a Coreia do Norte ainda estão altas, mas "a ausência de novidades negativas é boa notícia".
O dólar também viu espaço para ampliar os ganhos registrados na terça em relação a moedas como o euro e o iene. O dado forte de geração de empregos no setor privado dos EUA revelado pela Automatic Data Processing/Macroeconomic Advisers (ADP/MA) fez a moeda bater máximas ante o euro, que, por sua vez, vinha em rota ascendente há dias e penalizava as exportações europeias. A queda da moeda única ante o dólar deu nesta quarta respiro às empresas do velho continente. Às 13h01, o euro caía a US$ 1,1925, de US$ 1,1976 na terça.
Além disso, outro impulso no apetite por risco foi o índice de sentimento econômico da zona do euro. O número subiu de 111,3 em julho para 111,9 em agosto, o maior nível em dez anos. De acordo com o economista-chefe para zona do euro da Pantheon Macroeconomic, Claus Vistesen, o dado robusto indicou que "a recuperação cíclica na economia da zona do euro está saudável".
No mercado corporativo, o Carrefour publicou balanço corporativo após o fechamento das bolsas. A empresa contabilizou lucro líquido de 78 milhões de euros no 1º semestre. Possível reação da bolsa de Paris só será observada na quinta-feira. Nesta quarta-feira, o CAC 40 fechou em alta de 0,49%, aos 5.056,34 pontos.
Na Alemanha, o avanço de 0,1% do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) preliminar em agosto ante julho sustentou a alta do DAX, que fechou em alta de 0,47%, aos 12.002,47 pontos.
Em Londres, o ligeiro recuo da libra ante o dólar ajudou as exportadoras, enquanto os investidores prosseguem monitorando as negociações da saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), retomadas nesta semana. O FTSE 100 fechou em alta de 0,39%, aos 7.365,26 pontos.
Madri avançou 0,52%, para 10.245,80 pontos, e Lisboa teve alta marginal de 0,01%, aos 5.111,96 pontos. Milão também anotou ganhos de 0,44% e pulou para 21.503,46 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia