Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de agosto de 2017. Atualizado às 23h18.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 30/08/2017. Alterada em 29/08 às 21h51min

Preços de produtos na saída das fábricas recuam

O IPP (Índice de Preços ao Produtor), que calcula a variação de preços dos produtos na porta de saída das fábricas, registrou deflação (queda de preços) de 0,99% em julho. A deflação é ainda mais elevada do que as registradas em junho deste ano (-0,20%) e em julho de 2016 (-0,57%). Essa é a maior queda mensal desde março de 2016 (-1,20%), apontam dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
O IPP acumula deflação de 1,27% no ano. Em 12 meses, no entanto, o índice acumula inflação (alta de preços) de 1,11%.
Em julho, as indústrias extrativas tiveram queda de preços de 1,81%. Também tiveram deflação 18 das 24 atividades da indústria da transformação, com destaque para alimentos (-2%), refino de petróleo e produtos de álcool (-1,38%), outros produtos químicos (-1,42%) e metalurgia (-1,34%).
Seis atividades acusaram alta de preços em julho, entre elas, a fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (0,18%).
Entre as grandes categorias econômicas, apenas os bens de consumo duráveis tiveram inflação (0,19%). Os demais tiveram queda de preços: bens de consumo semi e não duráveis (-1,36%), bens intermediários, isto é, os insumos industrializados do setor produtivo (-1,05%), e os bens de capital (máquinas e equipamentos,-0,62%).
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia