Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de agosto de 2017. Atualizado às 12h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 28/08 às 12h55min

Migração de ações à nova clearing devolverá R$ 21 bilhões de liquidez ao mercado

A migração das ações, renda fixa privada e BTC devolverá ao mercado uma liquidez de R$ 21 bilhões, acima do esperado inicialmente, informou nesta segunda-feira (28) a B3. A segunda fase do Projeto de Integração das clearings da companhia foi finalizada nesta segunda, às 6 horas, depois de um fim de semana em que funcionários da companhia, liderados pelo vice-presidente de clearing, Cícero Vieira, fizeram uma força-tarefa para realizar a migração.
A liquidez devolvida ao mercado ocorre por conta do ganho de eficiência nos depósitos dados como garantias pelos investidores. As garantias depositadas pelos participantes do mercado na B3 somavam, no fim de junho, R$ 277,8 bilhões, sendo parte relevante em títulos públicos federais. Juntos, a migração dos derivativos à nova clearing em 2014, e agora os ativos de renda variável, devolveram ao mercado R$ 41 bilhões.
Na semana passada, o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, disse que com o fim da integração das clearings a B3 irá se focar, de acordo com o executivo, em projetos de investimentos mais ágeis e para o curto prazo, com a atenção, por exemplo, às demandas do mercado. Além disso, o mantra na companhia passa a ser proximidade com os clientes.
Com a clearing unificada, as operações estruturadas são beneficiadas, por exemplo. Isso porque as operações com "mais de uma ponta", como as estratégias "long and short" passam a ficar mais eficientes, com a posição comprada compensando o risco da posição vendida, o que na prática reduz a margem. Segundo a B3, a margem pode ser até de 80% menor em relação ao modelo anterior.
A Bolsa destaca que a clearing "multiativos" tem uma capacidade para gerenciar 10 milhões de transações por dia. Com os produtos organizados em um único ambiente, haverá apenas uma estrutura de participantes, um conjunto de processos operacionais e de regras, uma janela de liquidação e um único sistema de administração de risco e de garantias.
Além disso, a clearing unificada considerará o risco existente entre os diversos ativos e produtos, sendo que o novo gerenciamento de risco leva em conta, assim, a posição líquida de todo o portfólio do investidor.
A Bolsa contava com quatro clearings herdadas da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) antes da fusão em 2008, para os mercados de ações, derivativos, câmbio e títulos públicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia