Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de agosto de 2017. Atualizado às 17h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 25/08 às 18h01min

Petróleo fecha em alta, com possível impacto de furacão na produção dos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira (25) após uma reavaliação do possível impacto do furacão Harvey, que deve chegar no Texas até a manhã de sábado. Também contribuiu para o avanço uma queda no número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para outubro fechou em alta de 0,93%, a US$ 47,87 por barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo Brent para o mesmo mês avançou 0,72%, a US$ 52,41.
O furacão Harvey ganhou força e deve alcançar o litoral do Texas na noite desta sexta-feira ou no sábado. A tormenta é o primeiro furacão a atingir o Estado desde 2008. Com uma reavaliação do impacto do furacão, os preços do petróleo se favoreceram. "Essa é uma reação ao exagero visto ontem", disse Steve Sawyer, analista da consultoria Facts Global Energy, sobre a mudança nos preços da commodity na manhã desta sexta-feira.
A maior preocupação dos participantes do mercado, agora, é em relação a interrupções de atividade nas refinarias, que podem causar escassez do combustível. O caminho sinuoso e incerto da tempestade está levantando questões sobre quanto tempo os refinadores podem ter que ficar sem operar na próxima semana. Fábricas na área de Corpus Christi começaram a ser desligadas, em antecipação à tempestade. "As refinarias são a grande preocupação agora. Os danos do vento, das inundações, das quedas de energia. Isso nos preocupa", disse Michael Hiley, da LPS Futures LLC.
Também contribuiu para o movimento de alta do petróleo o relatório semanal da Baker Hughes, que mostrou uma queda de 4 no número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA na última semana, para 759. Na comparação anual, no entanto, houve aumento de 353 nesse número.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia