Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de agosto de 2017. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Notícia da edição impressa de 28/08/2017. Alterada em 27/08 às 17h30min

OMC aponta contenciosos contra Brasil

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, afirmou, durante discurso a empresários em Brasília, na sexta-feira passada, que existem contenciosos contra o Brasil na instituição, em que se questionam regimes tributários aplicados à indústria. Segundo ele, porém, as regras comerciais da OMC garantem ampla margem para os países implementarem políticas.
"As regras da OMC são recíprocas. O Brasil questionou subsídios industriais de países desenvolvidos várias vezes, como no setor aeronáutico e na agricultura", disse Azevêdo. "A reciprocidade, estes limites, também beneficiam o Brasil. E também limitam o espaço de distorção que pode ser empregado por países desenvolvidos."
Para Azevêdo, existe amplo espaço para se fazer política industrial nos países, mesmo sob as regras da OMC. O diretor afirmou que a instituição possui duas regras a serem seguidas na implementação de políticas industriais. "A primeira regra é que você não pode vincular a performance exportadora. É proibido vincular subsídios a determinada meta de performance exportadora", explicou.
O segundo ponto, de acordo com Azevêdo, é que o País não pode vincular o subsídio ao conteúdo doméstico. "Você vai receber este subsídio, este apoio, desde que seja com partes produzidas no território nacional. Isso não pode", pontuou. Azevêdo afirmou ainda que o desenvolvimento e a ampliação do parque industrial do País é fundamental para o desenvolvimento econômico e social.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia