Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de agosto de 2017. Atualizado às 17h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

25/08/2017 - 15h12min. Alterada em 25/08 às 15h12min

RGE e RGE Sul querem atingir meta de 80 mil postes substituídos neste ano

Até junho, RGE e RGE Sul substituíram e instalaram 43 mil novos postes de concreto

Até junho, RGE e RGE Sul substituíram e instalaram 43 mil novos postes de concreto


RGE SUL/DIVULGAÇÃO/JC
As distribuidoras de energia RGE e a RGE Sul projetam fechar 2017 com a marca de R$ 700 milhões investidos em obras, o que deve melhorar os serviços oferecidos em 373 municípios gaúchos. As empresas,  do Grupo CPFL Energia no Rio Grande do Sul, devem investir principalmente em obras em subestações e no fortalecimento das redes de distribuição dos municípios por meio da troca de postes de madeira por postes de concreto ou de fibra. 
Entre janeiro e junho de 2017, a RGE e RGE Sul substituíram e instalaram 43 mil novos postes de concreto e têm como meta chegar a marca de 80 mil até o final do ano. O valor investido nesse projeto ultrapassou R$ 43 milhões. Nos seis primeiros meses deste ano, elas aplicaram R$ 349,1 milhões em projetos de expansão, manutenção e modernização do sistema de distribuição de energia elétrica. 
"Nossas metas são desafiadoras, mas executando os investimentos previstos no Planejamento Estratégico aprovado pelo Grupo CPFL para a RGE e para a RGE Sul, temos certeza que estamos melhorando as condições de atendimento aos nossos clientes", comemora José Carlos Saciloto Tadiello, presidente das duas concessionárias.
O montante aplicado em 2017 é 38% superior ao investido pelas empresas entre janeiro e junho de 2016 e tem impacto direto na qualidade do fornecimento de energia aos 2,7 milhões de clientes das suas áreas de concessão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Aline da silva duarte 25/08/2017 17h39min
O que está sendo feito com os postes de madeira retirados?nVão ser jogados no chão para acontecer outra contaminação como no bairro Barreto em Triunfo?nE o que estão fazendo a respeito daquela contaminação?nnnn