Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de agosto de 2017. Atualizado às 15h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte

Alterada em 24/08 às 15h54min

Ônibus urbano perde cerca de 3 milhões de usuários diariamente, diz associação

Fotos do corredoror de ônibus que seriam utilizados como BRTs da Av. Protásio Alves

Fotos do corredoror de ônibus que seriam utilizados como BRTs da Av. Protásio Alves


MARCO QUINTANA/JC
Agência Brasil
Cerca de três milhões de passageiros deixam de usar o ônibus como transporte público diariamente no país, informou hoje (23) a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, ao divulgar os dados anuários referentes a 2016/2017. "É uma queda expressiva e preocupante", disse o presidente da entidade, Otávio Cunha. A pesquisa foi feita em nove capitais.
Segundo o relatório da associação, nos últimos três anos, o nível da queda de passageiros atingiu 18,1%. Só no ano passado, o número de passageiros transportado diariamente por ônibus caiu 4,6% em relação a 2015. A associação faz o monitoramento dos dados de transportes públicos urbanos desde 1994, totalizando 24 anos de acompanhamento. Para o mês de outubro, a previsão é de queda de 46,3% no número de passageiros transportados.
Para o presidente da associação, Otávio Cunha, fatores como a tarifa, o tempo de viagem, o estado de cada veículo e o trânsito cooperam para a queda do transporte nos ônibus. "Pesquisas apontam que a redução da tarifa e a volta dos investimentos em infraestrutura podem atrair novamente o usuário do ônibus como transporte público. A melhoria da qualidade do transporte, atrairá demanda", afirmou.
Cunha ressaltou que pequenas ações podem trazer resultados positivos e rápidos. "Pequenos investimentos, como a criação de faixas exclusivas e o monitoramento, para evitar invasões, podem encurtar o tempo de viagem. Isso influencia na hora da escolha do transporte", disse. "Hoje em dia, os ônibus disputam espaço nas vias com os carros e investimentos precisam ser feitos", acrescentou.
De acordo com o levantamento, o desemprego e a crise econômica são os principais responsáveis pela baixa nos números dos usuários do transporte público. Contudo, Otávio Cunha avaliou que outros fatores contribuem diretamente para o cenário atual. "Temos que levar em conta as distorções do sistema de transporte público urbano, tal como a falta de fontes de financiamento para a tarifa, que hoje é paga, exclusivamente, pelo usuário", concluiu.
Desde a Constituição de 1988, a atribuição do financiamento do serviço passou a ser dos municípios. Pelo menos 17% dos custos do transporte público estão ligados às gratuidades para idosos, pessoas com deficiência, estudantes e outros motivos, que são financiados pelos usuários que pagam as passagens de ônibus.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia