Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de agosto de 2017. Atualizado às 13h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 24/08 às 13h51min

Tendência de queda do crédito a empresas é liderada pelo Bndes, aponta BC

O crédito para empresas continua em queda em um movimento de contração liderado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). Apesar dessa trajetória, o chefe-adjunto do departamento econômico do Banco Central, Fernando Rocha, nota que há algumas operações para setores específicos que sinalizam alguma melhora.
Em julho, a concessão média de novos empréstimos para empresas caiu 21,9% na comparação com junho nas linhas de crédito com recursos livres - sem destinação específica, como capital de giro - e recuou 35,5% nas operações direcionadas - como o financiamento para investimentos.
Boa parte dessa tendência, avalia Rocha, é resultado da atuação mais restritiva do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. "O Bndes está em tendência de redução do crédito, o que afeta todo o crédito pessoa jurídica", disse, ao comentar que o banco de fomento é conhecido por operações direcionadas, mas também atua no crédito livre ao oferecer operações como o capital de giro.
Outro fator que explica a queda das concessões é o fim do calendário do crédito relacionado ao plano safra, que prevê liberação de recursos até o mês de junho.
Apesar dos dois fatores que jogam contra a oferta de crédito empresarial, o técnico do BC nota que muitas empresas reduziram o endividamento nos últimos meses - a chamada desalavancagem - e isso abre espaço para a tomada de crédito. Para Rocha, é possível ver o início da retomada da demanda em alguns setores empresariais.
Na pessoa física, o comportamento é completamente diferente. Apesar da queda de 1,2% nas concessões de financiamentos com livre destinação em julho, bancos têm oferecido cada vez mais crédito para esse segmento. No trimestre, os volumes concedidos cresceram 10,4% e no ano, 8,2%.
"Para a pessoa física, parece que essa queda é mais um ponto que a reversão da tendência. Nesse segmento, as concessões estão em tendência de crescimento há bastante tempo", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia