Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de agosto de 2017. Atualizado às 14h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

24/08/2017 - 11h19min. Alterada em 24/08 às 14h08min

Juro médio no crédito livre sobe a 46,6% em julho; cheque especial recua a 321,3%

A taxa média de juros no crédito livre subiu de 46,2% ao ano em junho para 46,6% ao ano em julho, informou nesta quinta-feira (24) o Banco Central, por meio da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito. Em julho de 2016, essa taxa estava em 52,6% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 63,4% para 63,8% ao ano na passagem de junho para julho, enquanto para pessoa jurídica foi de 24,8% para 25,3% ao ano.
Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa recuou de 322,6% para 321,3% ao ano de junho para julho. Para o crédito pessoal, subiu de 48,6% para 50,4% ao ano. Para veículos, os juros caíram ligeiramente, de 24,0% para 23,8% ao ano, de junho para julho.
A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas (com recursos da poupança e do Bndes), acelerou de 28,8% ao ano em junho para 29,0% ao ano em julho. Em julho de 2016, estava em 33,0%.
A média diária de concessões de crédito livre caiu 10,6% em julho ante junho, para R$ 11,1 bilhões, informou o Banco Central. No crédito direcionado, a média cedeu 28,9%, para R$ 1,1 bilhão. Em julho de 2016, a média era de R$ 10,6 bilhões no caso de recursos livres e de R$ 1,4 bilhão no de direcionado.
No acumulado do ano até julho, a alta é de 1,5% para os recursos livres e o recuo é de 8,4% para o financiamento direcionado. Nos 12 meses encerrados em julho, as taxas são de, respectivamente, -1,8% e -14,8%.
Quando se soma o crédito livre e o direcionado, a queda das concessões médias foi de 12,6% em julho ante junho, num total de R$ 12,2 bilhões. A média diária em julho de 2016 era de R$ 12,0 bilhões. No acumulado de 2017, a alta é de 0,5% e, em 12 meses até julho, o recuo é de 3,3%.
O spread bancário médio no crédito livre subiu de 36,6 pontos porcentuais em junho para 37,6 pontos porcentuais em julho, informou o Banco Central. O spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 53,6 pontos para 54,5 pontos porcentuais no período.
Para pessoa jurídica, o spread médio avançou de 15,4 pontos para 16,7 pontos porcentuais.
O spread médio do crédito direcionado caiu ligeiramente, de 4,4 pontos em junho para 4,3 pontos em julho. Já o spread médio no crédito total (livre + direcionado) passou de 21,0 para 21,5 pontos porcentuais no período.
Apesar do aumento dos spreads, o BC informou que a taxa de captação dos bancos no crédito livre caiu de 9,6% em junho para 9% em julho.
Segundo o Banco Central, a taxa de inadimplência no crédito livre seguiu em 5,6% em julho, mesma taxa registrada em junho. Em julho de 2016, a taxa estava em 5,7%.
Para pessoa física, a taxa de inadimplência passou de 5,8% em junho para 5,7% em julho. No mesmo mês do ano passado, estava em 6,2%. Para as empresas, a taxa foi de 5,3% em junho para 5,5% em julho.
A inadimplência do crédito direcionado passou de 1,9% em junho para 2,0% em julho.
O dado que considera crédito livre mais direcionado mostra manutenção da inadimplência de junho para julho, em 3,7%. Um ano antes, a taxa estava em 3,6%.
No cheque especial, o volume de calotes passou de 15,2% em junho para 14,8% em julho.
No caso de aquisição de veículos, o volume de calotes foi de 4,4% em junho para 4,2% em julho. No cartão de crédito, passou de 7,5% para 7,4% no período.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia