Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de agosto de 2017. Atualizado às 19h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 23/08 às 19h56min

Dólar recua ante rivais, após comentários de Trump sobre paralisação do governo

O dólar recuou ante outras moedas fortes nesta quarta-feira (23), enquanto os investidores digeriram a incerteza política nos Estados Unidos, antes de discursos de banqueiros centrais que irão ocorrer no fim desta semana.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 108,99 ienes e o euro avançava a US$ 1,1822.
Na noite de terça-feira, 22, o presidente dos EUA, Donald Trump ameaçou paralisar o governo federal, se fosse necessário, para obter financiamento destinado à construção de um muro ao longo da fronteira com o México. Em um comício realizado em Phoenix, Arizona, o presidente também atacou seus colegas do Partido Republicano pelo fracasso em revogar e substituir o Obamacare e disse que poderia encerrar o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês).
"A paralisação do governo não é algo bom para o clima de investimento", disseram analistas do Brown Brothers Harriman (BBH), em relatório a clientes. Os comentários de Trump fizeram com que o peso mexicano perdesse força: no fim da tarde, o dólar subia a 17,6999 pesos mexicanos.
Integrantes do mercado esperam pelos discursos de autoridades monetárias durante a conferência do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em Jackson Hole, em busca de pistas sobre o ritmo de aperto monetário. Na sexta-feira, a presidente do Fed, Janet Yellen, discursa pela manhã e o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, fala à tarde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia