Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de agosto de 2017. Atualizado às 16h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

23/08/2017 - 16h45min. Alterada em 23/08 às 16h46min

PPI aprovou privatização da Eletrobras, mas ainda não tem cronograma

Previsão do governo, que reuniu conselho do PPI, é que haja emissão de papéis sem subscrição da União

Previsão do governo, que reuniu conselho do PPI, é que haja emissão de papéis sem subscrição da União


Agência Brasil
O Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) aprovou a privatização da Eletrobras, mas a operação ainda não tem cronograma detalhado. A previsão do governo federal é que haja emissão de papéis pela empresa sem subscrição da União, que será diluída entre os demais acionistas e perderá o controle da empresa.
Essa operação deve injetar recursos na Eletrobras para que possa pagar à União pela descotização de suas usinas, abrindo caminho para que a companhia possa comercializar energia elétrica a preços de mercado, sem as obrigações previstas na MP 579, que repactuou contratos do setor elétrico ainda no governo Dilma Rousseff. Essas receitas serão importantes para reforçar o caixa da União.
"No entanto, a União manterá poder de veto para garantir a preservação de decisões estratégicas para o País", diz o texto divulgado pelo PPI. O conselho do programa confirma que a operação com a Eletrobras "injetará expressivos recursos no Tesouro Nacional".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia