Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de agosto de 2017. Atualizado às 16h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

23/08/2017 - 12h18min. Alterada em 23/08 às 12h18min

Governo estuda liberar saque do saldo do PIS e do Pasep, diz ministro

Meirelles não adiantou as regras, como idade para liberação do saque, e quanto será liberado

Meirelles não adiantou as regras, como idade para liberação do saque, e quanto será liberado


FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC
Agência Brasil
O governo estuda liberar o saque do saldo do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) para idosos, disse nesta quarta-feira (23) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, após participar de palestra, em Brasília, durante o Congresso Aço Brasil.
Ele não adiantou as regras, como idade para liberação do saque, e quanto será liberado. Disse que a proposta está em discussão com o presidente Michel Temer.
"Estamos estudando isso. É projeto já em andamento, em discussão com o presidente. Vamos anunciar isso quando estiver de fato tudo aprovado", afirmou.
Atualmente, os trabalhadores têm direito ao abono salarial e rendimentos do PIS/Pasep desde que cadastrados como participantes dos fundos até 4 de outubro de 1988 e não tenham sacado o saldo. A Caixa, responsável pelo PIS, e o Banco do Brasil, administrador do Pasep, fazem esse pagamento de acordo com um calendário anual.
O saque do saldo principal é permitido atualmente nos seguintes casos: aposentadoria; 70 anos completos; invalidez; reforma militar ou transferência para a reserva remunerada; câncer de titular ou de dependentes; portador de HIV; amparo social ao idoso, concedido pela Previdência; amparo assistencial a portadores de deficiência da Previdência; falecimento e em casos de doenças graves.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Gustavo Bauer 23/08/2017 15h44min
Manobra esperta do governo e trágica para os idosos cadastrados, pois é mais fácil liberar verbas, do que investir a contento no sistema de saúde. Trata-se sim, de fomentar o consumismo desenfreado com substancial "arrecadação de impostos". Poucos farão uso do numerário pela manutenção de sua saúde e pagar dívidas, outros muitos irão aos deleites e ajuda a terceiros. Em fim, como diz a letra "dinheiro na mão é vendaval....é vendaval!!"