Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de agosto de 2017. Atualizado às 11h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 23/08 às 11h18min

Depois da euforia da terça-feira, Bovespa abre sem direção clara

O pregão desta quarta-feira (23) na Bovespa não tem uma direção clara, depois da euforia de terça-feira provocada pela notícia da privatização da Eletrobras. O Ibovespa abriu em alta, passou a cair, voltou a subir e tem alternado os sinais positivo e negativo.
A influência externa nesta quarta é de baixa. Às 10h36min, o Ibovespa caía 0,01% aos 70.010 pontos. Dow Jones e S&P500 abriram sob sinal negativo.
As ações da estatal de energia elétrica abriram em baixa. No horário acima, a ON recuava 8,02%. Há dúvidas sobre "qual é a Eletrobras" que vai ser posta à venda. Itaipu e Furnas não deverão entrar no pacote de privatização. "Não duvido que Furnas e Chesf Companhia Hidro Elétrica de São Francisco fiquem de fora também", afirmou um operador do mercado de ações.
Do noticiário doméstico, o destaque é a discussão, neste momento, da Medida Provisória 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP). A sessão tem um embate entre governistas, como Romero Jucá e José Serra. "O governo assumir que TJLP é subsídio poderá causar perdas numerosas na OMC", afirmou o senador tucano.
O dólar segue em queda no período da manhã em linha com o enfraquecimento da moeda no exterior. O Dollar Index (DXY) perde valor após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar, na terça à noite, de que poderia "fechar o governo", ou seja, não aprovar o Orçamento que deve ser proposto pelo Congresso.
Trump realizou a ameaça, em comício em Phoenix, pois pressiona o Congresso para aprovar um Orçamento que incluía o financiamento para a construção de um muro na fronteira com o México. A Casa tem até o dia 30 de setembro para propor um Orçamento, e sua não aprovação pode "fechar o governo", termo usado nos EUA.
Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, citou, em discurso nesta quarta em Brasília, a curva de juros futuros. Ele voltou a citar que a curva subiu durante a crise política de maio, mas já voltou a cair. "Os juros ainda são altos, mas o importante é trabalharmos para que a trajetória seja de queda", completou.
Meirelles também afirmou que o comportamento da inflação dá margem para que o Banco Central continue baixando a taxa de juros Selic. "Estamos estabilizando a economia brasileira de forma consistente e sustentável", avaliou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia